Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

VOLTA A PORTUGAL

27.01.18, melgaçodomonteàribeira

782 - volta a portugal.jpg

 

VOLTA A PORTUGAL

 

De bicicleta ou no Google Earth, dar voltas em Portugal constitui um modo de (re)conhecimento perfeito para preencher curiosidades ou estranhamentos acerca da exótica geografia da terra dos portugueses. Dizem-nos e demonstram-no de maneira variada que tal terra existe mesmo; que tem uma certidão de nascimento, um corpo, uma alma, uma identidade. Não tem nem tem de ter. Muito se insistiu no Portugal dos marinheiros, dos fados, da bola no jardim à beira-mar plantado – um território, o nevoeiro dos antepassados, os mitos, o império, a língua, a saudade e a ruína, aquele que os deuses amam e visitam, o bom povo cosmopolita ou burro de trabalho repartido pelo mundo. Pode ser tudo isso e muito mais e mudar no dia a seguir ou perder-se no caminho; pode dar um execrável programa na televisão, um elaboradíssimo ensaio, um solene discurso patriótico ou uma frenática crepitação nas redes sociais.

Se existe, pode-se-lhe tirar o retrato, variar a pose e os humores do seu território, a sua casa comum. É um caleidoscópio dos cumes do Pico ou da Estrela até aos lodos da ria que é formosa. Não há como congelar tudo numa imagem e as palavras estão cheias de ecos. Não há um fio condutor, um roteiro. Vai-se pela terra fora. Convocam-se palavras de muitas vozes e tempos. Alguma lhe servirá melhor que outras.

Fim do mundo

Foto de Álvaro Domingues

 

Álvaro Domingues (Melgaço, 1959) é Geógrafo, douturado em Geografia Humana e professor associado da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP), nos cursos de mestrado integrado e doutoramento e do curso de doutoramento Arquitectura dos Territórios Metropolitanos Contemporâneos do ISCTE, em Lisboa. É investigador do Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo (CEAU-FAUP). Foi colaborador da Porto 2001, Capital Europeia da Cultura.

Entre outras obras, é autor de Território Casa Comum (com Nuno Travasso, FAUP), A Rua da Estrada (Dafne), Políticas Urbanas I e II (com Nuno Portas e João Cabral, Fundação Calouste Gulbenkian) e Cidade e Democracia (Argumentum). Publica regularmente (texto e fotografia) em jornais e revistas generalistas e especializadas e participa em conferências, exposições e eventos de divulgação científica e de performance artística, como as Quintas de Leitura. Enquanto ensaísta, interessa-se sobretudo pela metamorfose recente da sociedade e do território portugueses, um mosaico instável de fusão/tensão entre contextos de pré e pós-modernidade, de localismo e conservadorismo, mas também de cosmopolitismo e globalização. A condição tripla de geógrafo, ensaísta e fotógrafo ajustam-se particularmente a este trabalho que procura organizar evidências e sinais dessas mudanças.

 

VOLTA A PORTUGAL

Álvaro Domingues

Contraponto

1ª Edição

Novembro de 1917

 

9 comentários

  • Bom dia, Pedro.
    Quando é que a coluna lateral direita do meu blogue fica de novo operacional ?

    Cumprimentos.
  • Imagem de perfil

    Pedro Neves

    28.02.18

    Bom dia novamente,
    parece que havia mesmo um problema com o código do contador. Foi removido pela equipa e a coluna lateral está novamente operacional. As nossas desculpas pelo inconveniente causado.
  • Boa noite, Pedro

    Voltam a colocar o contador?
    Obrigado
  • Imagem de perfil

    Pedro Neves

    01.03.18

    Caro Ilidio,
    tal como expliquei no meu comentário inicial, o nosso contador foi permanentemente desativado. As nossas desculpas novamente pelo problema na coluna lateral que resultou dessa desativação, e que já foi corrigido.
  • Viva, Pedro.

    Não consigo mudar os componentes, ou seja, passar o quinto para segundo, etc.

    Obrigado
  • Imagem de perfil

    Pedro Neves

    02.03.18

    Bom dia,
    O que acontece quando guarda a alteração? E que navegador está a utilizar?
  • É na coluna do lado direito. Clico num componente e fico com o dedo no rato, o componente fica mais estreito, vai onde eu o quero, mas ao soltar o dedo do rato volta ao mesmo sítio. O navegador é Firefox
  • Imagem de perfil

    Pedro Neves

    02.03.18

    Pela descrição, parece-me que pode estar a tentar arrastar os componentes para posições onde já existem componentes. Só é possível mudar os componentes para posições vazias. Ou seja, precisa de mover os outros componentes primeiro e mudar a sua ordem. Se é isso que está a fazer, pedia-lhe que se certificasse de que está a usar a versão mais recente do Firefox e se estiver, que experimente fazer o mesmo procedimento noutro navegador. Se o problema persistir, contacte-nos, por favor, pelo sapoblogs@sapo.pt
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.