Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, CONTRABANDO DE VOLFRÂMIO

melgaçodomonteàribeira, 02.12.17

772-grupo castrejas 1911.jpg

 

 

MEMÓRIA DO CONTRABANDO e EMIGRAÇÃO CLANDESTINA EM MELGAÇO: PATRIMONIALIZAÇÃO E MUSEALIZAÇÃO

 Lidia Aguiar

 

Exploração de volfrâmio

 

Em Melgaço, como em tantos outros concelhos do norte e centro do país, a exploração do volfrâmio veio proporcionar um novo alento para as economias locais. Para as populações, a exploração deste minério constituiu uma segunda fonte de rendimentos (a primeira era o contrabando), abrindo, mesmo que momentaneamente, expectativas de melhores condições de vida.

Em Castro Laboreiro a exploração do volfrâmio teve uma maior dimensão, do que em outros lugares. Terá começado já durante o período da I Guerra Mundial, tendo tido um grande pico durante a II Guerra. Neste caso foi levada a cabo predominantemente por populares, que acorriam ao Planalto de Castro Laboreiro, no lugar de Seara, onde foram abrindo várias galerias.

Os populares vendiam-no no contrabando, maioritariamente já em Espanha. Verificou-se, no entanto, que durante o período da II Guerra, foram os Alemães os grandes compradores. Eles aguardavam os homens no sopé do planalto com os seus camiões prontos para carregar o minério. Cada homem alcançava um rendimento médio de 8 contos por dia. Este montante subiria bastante mais se ele tivesse a sorte de encontrar um bom filão.

Segundo o informante Filipe Esteves, morador em Castro Laboreiro, as mulheres tiveram nesta época um papel primordial. Dirigiam-se em grupos para as zonas mineiras, onde apanhavam as pedras que caiam das grandes cargas, ou algumas que elas próprias conseguiam apanhar, por se encontrarem mais à superfície. Dirigiam-se, então, para uma levada, onde lavavam e peneiravam o volfrâmio. Este mineral, preparado pelas mulheres, era vendido exclusivamente a um dos mais conhecidos contrabandistas da zona: o Mareco, ligado a um dos grandes consórcios.

No ano de 1955, estas minas acabam por ser registadas pela Companhia Mineira de Castro Laboreiro, com sede no Porto. O manifesto mineiro foi de João Cândido Calheiros, morador na freguesia de Prado, encontrando-se, este registo, no Arquivo Municipal de Melgaço, no Livro de Registos (Volfrâmio).

“Lembro-me bem do tempo do minério. Vieram para cá muitos homens, de muitos lados, apanhar aquelas pedras. Eram assim umas pedras muito negras, tão lindas que elas eram. Eles ficavam cá a dormir. Ganharam muito dinheiro naquele tempo. E as mulheres daqui também lá iam, coitadinhas. Era contudo, um trabalho muito pesado, pois apanhavam as mais pequenitas e iam lavá-las ao regato. Deram-lhes um dinheirinho, ai eu sei bem que deu.” Rosalina Fernandes – Castro Laboreiro – 29-10-2013

Com a Companhia Mineira de Castro Laboreiro a dominar a larga maioria das minas, a população, em geral, perdeu os lucros avultados que até então conseguira.

Este fenómano pode-se constatar em muitas outras zonas mineiras, ligadas ao volfrâmio, do norte e centro do país. Findo o negócio do volfrâmio, a população habituada a ter uma vida melhor, não mais a encontra no contrabando. Continuava a ser uma activvidade plena de riscos e da qual não era possível obter um rendimento certo. Ao trabalho duro, o melgacense não tinha medo. Com a fronteira mesmo ao lado, com horizontes mais alargados, o convite à emigração era forte.  Encontrou-se, deste modo, a grande alavanca para a mobilidade social (Castro & Marques, 2003).

 

Memória do Contrabando e Emigração Clandestina em Melgaço

 

PERCURSO & IDEIAS

ISCET

Cadernos de Turismo

Turismo.pdf

 

ALI, NO MINÉRIO...

melgaçodomonteàribeira, 31.10.15

241 - estrada fiães.jpg

estrada melgaço-fiães, junto ao minério

 

PROCURA-SE OURO EM MELGAÇO!

 

No sítio do Portal das Cabras, uma área com cerca de 95 000 m2, junto à antiga lixeira do concelho, em Chaviães, próximo dos limites com Fiães e não muito longe de Roussas. O VALE MAIS sabe que uma empresa da zona de Braga, a que está ligado o atual presidente da AIMinho, António Marques, já tem do Estado português a competente autorização para a respetiva prospeção. Esta tem como objeto avaliar da existência das matérias-primas em condições de tornar viável a sua exploração industrial. Confrontado com esta possibilidade, o presidente da Câmara Municipal de Melgaço, Manoel Batista, explicou-nos que a autarquia não tem interferência direta no processo, nem acalenta grandes expectativas quanto ao benefício que isso poderá trazer para o concelho. Ressalvou, porém, que, em alguma coisa, os melgacenses poderão ter alguns dividendos, inerentes à atual atividade de extração, se esta se verificar, e a necessidade de emprego que isso implicará. Um armazém de farinhas e de bilhas de gás, ainda em Roussas, é a construção que encontramos mais próxima do local. Hugo da Costa é o único funcionário que ali divisamos e que ficou surpreso quando o informamos da prospeção a ser efetuada. Após uns momentos iniciais a tentar digerir a notícia, exclamou: “Isto vai ser uma confusão… pelo menos entre freguesias”, observou, referindo-se à sua localização num local perto da linha limite entre Chaviães e Fiães. Não deixou, porém, de acrescentar “acho bem” e isso “poderá trazer benefícios à nossa terra”. “Carago!... Isso punha toda a gente maluca!” – foi assim que, um pouco mais abaixo, junto à sua moradia, reagiu Laurinda Barbosa à notícia. Natural de Arcos de Valdevez e ex-emigrante em França, há 18 anos que ali reside e “nunca ouvi falar numa coisa destas”. Amadeu Esteves, é o presidente da Junta de Freguesia de Chaviães/Paços e também foi pela reportagem do VALE MAIS que soube da prospeção que vai ser efetuada. Não quis, portanto, reagir a quente, tanto mais que só parte dos terrenos pertence à Junta, sendo o restante do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas. O autarca, com perto de meio século de vida, adiantou, porém, que o local da antiga lixeira (agora ‘aterrada’ com telas) era, nos seus tempos de criança, conhecido como “Minério”, numa alusão que os mais antigos já, então, referiam como terras que poderiam ter as ditas matérias preciosas.

……………………………………………………..

 

Publicado em: Jornal Vale Mais

Edição nº 27

Março 2014

 

www.youblisher.com/p/885663-Jornal-Vale-mais-edicao-n-o-27-MARCO/