Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

O DIA DE INÊS NEGRA

18.03.17, melgaçodomonteàribeira
          INÊS NEGRA     Três vivas à Inês Negra brava mulher de Melgaço que venceu a Arrenegada e lhe meteu grande cagaço   Três vivas à Inês Negra que fez descer a terreiro a sua crença valente sem ter armas de guerreiro   Três vivas à Inês Negra que mostrou à Arrenegada a força que tem a alma de uma pátria libertada   Três vivas à Inês Negra neste largo arraial onde se joga em duelo a sorte de Portugal   Três vivas à Inês Negra com o estandarte de Aviz

AUTO DA LADINA VI - FIM

07.02.15, melgaçodomonteàribeira
Noite de luar - Alameda      (Narrador – batendo palmas e rindo)                                           A Ladina, furiosa,                                         grita de pronto ao juiz:   (Ladina – com um olhar sobrenatural)                                           A voz dele é ardilosa,                                     (...)

HOMENAGEM AO PACHORREGO E AUTO DA LADINA V

31.01.15, melgaçodomonteàribeira
 Ribadávia – Ruela do Barrio Judio   Chedas, pagas tu, num pagas ?   A atracção – legítima, indiscutivelmente – que as festas dos nossos vizinhos espanhóis exerciam e continuam a exercer sobre a população portuguesa arraiana não é um segredo para ninguém. Se há zonas onde essa atracção é mais significativa, o concelho de Melgaço faz parte delas e ocupa, sem dúvida alguma, um lugar honorável. O acontecimento que vou narrar conheço-o desde os primórdios da minha (...)

AUTO DA LADINA IV

24.01.15, melgaçodomonteàribeira
Monte   (Enquanto se muda de cenário, o narrador esclarece o público)                                           Parte com outro soldado                                         para os montes, à procura                                         desse ser endiabrado,                                         para a meter em clausura.   (1 (...)

AUTO DA LADINA III

17.01.15, melgaçodomonteàribeira
Forno comunitário     (Enteado – prosseguindo)                                           Não me enganas, assassina,                                         vais pagá-las de uma vez;                                         anda cá, alma malina,                                         seu monstro de malvadez!     (Narrador – (...)

AUTO DA LADINA II

10.01.15, melgaçodomonteàribeira
Em Pomares   AUTO DA LADINA     (Narrador – com entrada triunfal)                                             Vou-vos contar uma história                                         que acho muito engraçada:                                         a de uma mulher sem glória,                                         a de uma pobre (...)

AUTO DA LADINA I

03.01.15, melgaçodomonteàribeira
Cena medieval   AUTO DA LADINA   TODA ESTA HISTÓRIA FOI IMAGINADA PELO AUTOR. QUAISQUER SEMELHANÇAS COM A REALIDADE É PURA COINCIDÊNCIA.     Este auto tem por base uma história real. Sabe-se, contudo, que um auto é sempre uma composição de índole ficcional, dramática, pelo que, assim sendo, não será de estranhar que os quadros aqui apresentados não correspondam, ponto por ponto, aos factos históricos e registados no processo jurídico que eu, humildemente o confesso, nunca li.

TEATRO DE REVISTA EM MELGAÇO

18.06.13, melgaçodomonteàribeira
    OS MODESTOS         No palco do Cine Pelicano, para o qual o pincel do melgacense João Barbeitos Lourenço com facilidade e felicidade pintou três cenas, estrearam-se Os Modestos conforme estava anunciado, levando à cena uma espectaculosa revista local e um pequeno quadro emocionante. Apresentou-os ao público o Sr. Padre Manuel Lourenço, digno abade de Fiães, que encontrou e em poucas e compreensivas palavras soube concentrar e transmitir a beleza do espectáculo. É para (...)