Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

A CHEGADA DA PENICILINA A MELGAÇO

29.06.19, melgaçodomonteàribeira
  UM LUGAR ONDE NADA ACONTECIA… III O Amílcar da Lucrécia estava prestes a bater as botas. O José Esteves (Zeca da Cabana) tanto insistiu com o médico que este, talvez nem tanto para salvar o moribundo, mais para testar a eficiência do novo medicamento de que se contavam maravilhas e ele só conhecia da literatura especializada que os laboratórios lhe enviavam, resolveu aceder. Era isso! O amigo Zeca da Cabana mexera-lhe com os brios quando lhe evocou a penicilina. Telefonou, o (...)

UM CONCURSO DE CÃES DE CASTRO LABOREIRO (conclusão) - ÓBIT0

18.05.19, melgaçodomonteàribeira
vencedora do concurso (continuação)   Festa sem foguetes e três mil contos por mês O «Cinco de Outubro» é dia de festa na freguesia, festa sem foguetes nem procissão. Prato melhorado ou saia nova. Mas festa. A mulher de Castro Laboreiro vê em tal dia a promoção dos seus cuidados no mundo canino. Data que é um chamariz à terra, de gente de todos os lados e culturas. Dia em que os naturais contactam mais de perto e se familiarizam com as pessoas da cidade. Hoje já não se (...)

O COCIOLLO DO LILI

06.04.19, melgaçodomonteàribeira
  UM LUGAR ONDE NADA ACONTECIA… IV   Para o julgamento do Lili do Teodorico foram arroladas várias testemunhas que dariam seu depoimento sobre a conduta e personalidade do rapaz. A mais importante testemunha era o doutor João Durães, farmacêutico, dono da única farmácia da Vila. Político destacado, membro da União Nacional, partido único existente na época, já exercera a presidência da Câmara Municipal com destacada administração. O governo do País só permitia, (...)

O DOUTOR SUIÇA

05.01.19, melgaçodomonteàribeira
nº 60, casa da dona marieta   UM LUGAR ONDE NADA ACONTECIA… II Espalhou-se rápida nas tabernas e no café a notícia do internamento no hospital, do Amílcar da Lucrécia. O grupo de rapazes reunido numa mesa do café do Zé Félix, comentava o caso: - Realmente fazia alguns dias, talvez mais de uma semana, que não aparecia no bilhar. - A Maria da Rosa Pires que ultimamente cuidava dele, é que o levou ao hospital. - Disseram que estava irreconhecível. Um rapagão que ele era, (...)

UMA FORÇA DE FÉ

11.08.18, melgaçodomonteàribeira
pastoriza por manuel igrejas 2017     UM LUGAR ONDE NADA ACONTECIA…   VI   O julgamento do Lili do Teodorico aguardava data. Ele continuava em sua actividade e era assunto das conversas. Naquele fim de verão, um ano depois do Amílcar ter-se recuperado, numa tarde cálida, quando as pessoas andavam de roupas leves e os homens, na sua maioria em mangas de camisa, a notícia caiu como um raio que a todos fulminou: o Zéca do Aurélio caíra de cama com uma meningite. Era o José de (...)

O VASCO, O MANEL E A CENTRAL DE MELGAÇO

10.02.18, melgaçodomonteàribeira
manuel f. igrejas   O ANTIGAMENTE   Nos anos quarenta do século passado, como meu primeiro emprego foi ser ajudante do Vasco, na Central. O Despacho Central de Melgaço ficava no térreo da casa das senhoras Teixeiras, ao lado da caneja da Fonte da Vila. O meu pai queria fazer de mim alfaiate como fez com meus irmãos, mas o Dr. Sá, que cuidara da minha tuberculose e reconheceu que não foram tanto os remédios que me curaram… convenceu o Augusto do Félix a não me fazer alfaiate (...)

UMA SENHORA DA SOCIEDADE

23.09.17, melgaçodomonteàribeira
rua de baixo - vila     O ANTIGAMENTE     O passado está sempre presente no dia a dia das pessoas, especialmente daquelas que já passaram da conta. Não há nada que aconteça que não tenha já acontecido, noutro contexto e com outra roupagem, é claro. Detalhes do quotidiano, principalmente os que nos aborrecem, despertam-nos algo parecido, semelhante ou então a repetição exacta do já acontecido. Então acontece que os resmungos da minha mulher além de me enfastiarem lembram (...)

O AJUDANTE DO VASQUINHO

29.07.17, melgaçodomonteàribeira
                 O ANTIGAMENTE      Isto de por a funcionar a gravação do passado no registo da memória, corre-se o risco de disparar por falta de funcionamento prolongado, e põe-se a descoberto cenas e situações que se pretenderam esquecer. A Maria de Fátima, filha do saudoso Toninho do Cerinha, é a culpada do desarranjo mecânico do nosso gravador cerebral que não quer parar de funcionar. Como foi dito, eu era ajudante do Vasco na Central, e o meu desempenho chamou (...)

SAGRADO E PROFANO

03.12.16, melgaçodomonteàribeira
                                 texto e desenho de manuel igrejas   O SAGRADO E O PROFANO EM MELGAÇO NOS ANOS 30 DO SÉCULO XX   Tradição enraizada na fé do povo da Vila de Melgaço, era, em Maio, a devoção ao Sagrado Coração de Maria quando acontecia festividade e a Primeira Comunhão das crianças. Naquele ano a (...)

AS HISTÓRIAS DO MATIAS

26.11.16, melgaçodomonteàribeira
       O mundo torna-se mais pequeno à medida que os anos vão passando. Matias ainda tem muito que viver, para aprender. É um menino de 3 anos, muito enérgico e com muita vontade de sorrir. E existe coisa melhor para se fazer? É muito curioso, como é normal para a sua idade. É um aventureiro, um explorador e um artista da vida. Tudo se torna (...)