Sábado, 4 de Maio de 2019

O NETO DE CAMILO

1 - 39 d2 - tiago veiga_uma biografia capa frente[

A CELA E A VIDA

Um menino e um sapato

 

Um dos episódios maiores na história da Casa dos Anjos consta de um relato que, se não valer pelo seu literário desempenho, poderá servir os agentes naturais que vierem visitá-lo. Uma adolescente da época, Berta Maria, órfã de pai e mãe, senhora de «alma como que num perene coro de gorjeios», sairia daquela morada no lugar de Venade, freguesia de Ferreira, concelho de Paredes de Coura, apartando-se da companhia de suas manas. Ia por determinação da mais velha, Genoveva de seu nome, a morgada, e a despeito da dor que causava na segunda, Ifigénia de sua graça, dar à luz nos longes de Castro Laboreiro o rebento ilegítimo de um tal Leonel, galante que ela avistara pela primeira vez na romaria de S. Silvestre, aparecendo-lhe como detentor de «olhar muito negro», capaz de ler o «pensamento secreto» da que dele logo se enamorara. Faltará aduzir que o rapaz, acobertado por aquele onomástico de gosto popular, só pouco antes completara os dezassete anos, e que era o filho mais novo dos que contava o romancista Camilo Castelo Branco, fruto da união adulterina que mantinha com Ana Augusta Plácido. Nuno Plácido Castelo Branco, o tal falso Leonel, ingressara neste mundo em 1864, e já por alturas do início da nossa história se levantava como índole prometida a várias falcatruas e malfeitorias. O resto é o que resulta das notas que o famoso Camilo elaborou para seu próprio uso, e de cujas linhas faz parte o que se transcreve a seguir.

 

    Nos altos daquela serra, para a qual a deportaram, e onde a ventania galopava, soprada de sudoeste, como um cavalo sem freio, presenciava a amargura da réproba, traída pelo sedutor que, de súbito, a abandonara, trespassada pelo aguilhão do mais pungente dos remorsos, o vagaroso decorrer de cada minuto. Rodopiava o restolho, nas eiras, por entre o torvelinho da poeira avermelhada, e nem o trinado de uma avezinha se pressentia, nem o gorgolejo de uma fonte, naquela desolação. Quando as ânsias do parto a assaltaram, impôs a humilde companheira, a um criadito meio tolo e surdo-mudo, que fosse buscar uma certa comadre entendida, ao outro lado dos penhascos, para que ajudasse a encaminhar o que ia nascer, até este Vale de Josafat. Galgaram ambos os ermos horrendos, com uma lanterna que, a espaços, se extinguia. Ao aproximarem-se, contudo, do leito onde Berta, transida de suores, Já não distinguia o pesadelo da realidade, debatia-se a precita com as vascãs da fatídica morte, que haveria de a vencer. Chamar-se ia o menino, que surgira refeitinho e moreno, Inácio Manuel dos Anjos por se não julgar de meridiana equidade apetrechá-lo com o apelido paterno.

 

Vira ele o dia aos 19 de Maio de 1881, consoante se lê no tombo dos baptismos da paroquial Igreja de Castro Laboreiro. O tal dito criado que escoltara a desgraçada, um certo Felício, procederia às diligências indispensáveis ao enterramento de Berta no cemitério local, e cortar-lhe-ia entre soluços uma madeixa dos cabelos louros, não tendo escasseado quem nisso vislumbrasse a paixão oculta que residiria naquele engano da Natureza, um desarranjo de pernas e braços, que parecia desassistido de quanto extravasa do mais elementar conhecimento das coisas. Quanto ao recém-nascido, decompondo-se num berro de plenos pulmões que se dissolvia no balido dos cabritinhos, acabados também de entrar na vida, eis que o enrodilhou Felício nos panos que a pobre mãe lhe deixara preparados, e se botou à estrada, conduzindo pela arreata um jumento que levava na garupa a condessinha onde se acomodava o pequenito. Passaritavam à frente deles as lavandiscas, e o criado atolambado desvanecia-se em sorrisos, não porque o fascinassem as nuvens brancas que singravam no céu muito azul, mas porque possuía afinal um ser de carne e osso que considerava exclusivamente seu, e ao qual se lhe arrimava o coração. Chegaram à Casa dos Anjos numa dessas tardes quentíssimas de Junho que torna escaldante a pedra tocada pela nudez dos pés.

 

 

Mário Cláudio

TIAGO VEIGA

 Uma biografia

D. Quixote

2011

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 00:09
link do post | comentar | favorito
Sábado, 16 de Março de 2019

ALTO MINHO - ROTEIRO TURÍSTICO

1 - 33 d2 - alto minho.jpg

 

Um roteiro que traduz a riqueza da tradição e a doçura da paisagem

 

 

Viana do Castelo e seu termo, serpenteada por rios tranquilos, coroada por montanhas verdejantes e beijando o Oceano, é, cada vez mais, terra procurada para local de férias e sítio para encontrar sossego, sem esquecer, contudo, um novo ressurgir do tecido social e empresarial que empresta à vida do quotidiano mais certezas e garantia de um melhor futuro.

Conhecer a Região, apesar de tudo, não é fácil, porque as grandes vias de penetração só agora estão aparecendo, e a realidade encontra-se no santuário das povoações onde só chegam os mais curiosos ou os que se dedicam ao estudo dos problemas locais.

O Dr. Francisco Sampaio, é um desses homens, que a par de uma grande sensibilidade poética, de um fino recorte literário, conhece melhor do que ninguém, as gentes e a terra deste Alto Minho.

Aí o temos, neste Roteiro Turístico, calcorreando os vales, trepando os montes, desfolhando a memória das tradições ou ajudando-nos a saborear o rico «pitéu» que fazem da cozinha vianense um dos nossos motivos de orgulho.

Ao acompanhá-lo nesta redescoberta da nossa terra, encontramos novos motivos, novos recantos, novas belezas, e sempre a simpatia da sua gente, que, fidalgamente sabe receber, nem que seja para repartir o pedaço da «broa» ou a «malga» do caldo.

Agradecendo ao Dr. Francisco Sampaio mais este trabalho em prol da nossa terra, convido os leitores a saborearem este «naco» de prosa, e, se puderem, metam pés a caminho, quais novos peregrinos, em busca da paz e do sossego que encontrarão caldeados com o agreste e o belo da paisagem!...

 

Viana do Castelo, 11 de Outubro de 1990

 

     Governador Civil de Viana do Castelo

 

ALTO MINHO – Roteiro Turístico

Francisco Sampaio

Edição Região de Turismo do Alto Minho

1990

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 02:32
link do post | comentar | favorito
Sábado, 2 de Março de 2019

COROGRAFIA PORTUGUEZA - MELGAÇO MDCCVI

1 - 41 a2 - Corografia_Portuguesa.jpg

 

 

 

COROGRAFIA PORTUGUEZA, E DESCRIPÇAM DO FAMOSO REYNO DE PORTUGAL

 

 S. Maria da Gave,

ou Gavia, he Vigairaria ´q apresenta o Reytor de Riba de Mouro, rende quarenta mil reis, & para o Commendador setenta mil reis: tem cento & trinta visinhos.

S. Mamede de Parada do Monte,

Vigairaria da mesma apresentaçaõ, que rende ao todo quarenta mil reis, & para o Commendador sessenta & seis mil reis, tem cento & cincoenta visinhos. Aqui se faz o melhor burel de lã das ovelhas Gallegas de todo o mais Reyno, donde he mui procurado para cubertas de camas de Lavradores, ou criados, & ainda de muitos nobres para as meterem entre os cobertores; he mui branco, grosso & macio. Nestas montanhas em `q ha muita caça & veaçaõ, houve antigamente hum Couto, a que chamavaõ Val de Poldros, o qual fez, marcou & defendeo Payo Rodrigues de Araujo, de que possue parte seu sexto neto Manoel de Araujo de Caldas, Sargento mór de Valladares, inda que atenuando em parte das grandes regalias que tinha.

S. João de Lamas de Mouro,

he Abbadia do Ordinario, rende quarenta mil reis, tem quarenta visinhos, que saõ privilegiados de Malta pela Commenda de Távora, a que pagaõ muito foro, não sendo a terra por roim capaz de tanto. Dizem que algum tempo foy esta Igreja de Templarios, & delles, quando se extinguiraõ, passou aos Maltezes. O como sahio delles para o Ordinario nam alcançamos, que naquelles tempos os mais dos contratos erão verbaes. Aqui nasce o rio Mouro, nome que tomou daquelle poderoso, ou regulo, de que já fallamos, & que neste monte tinha sua coutada de recreação para caçar. O rio inda que pequeno, dá saborosas trutas, & se engrossa  com o da Mendeira, que pouco abaixo lhe entra.

 

   Santiago de Penso,

Vigairaria do Mosteiro de Paderne com dez mil reis, ao todo oitenta mil reis, & para os Frades cento & dezoito mil reis, tem duzentos visinhos. Aqui está a Quinta de S. Sybrão, que possue Felippe de Araujo de Caldas, Cavalleiro do Habito de Christo, Capitaõ mór, & Monteiro mór de Valladares; tomou este nome de huma Capella antiga deste Santo Cipriano, que alli está; he tradição foy templo da Gentilidade dedicado a Júpiter: o sitio he funebre, & desacomodado no meyo de hum campo com pouca veneraçaõ, & menos o fora a naõ ser advogado das cezoens, ou maleitas, que muitos enfermos vem alli termendo, & voltaõ saõs.

 

 

Couto de Paderne

 

   Saõ Salvador de Paderne,

Mosteiro de Conegos Regrantes de Santo Agostinho, tomou o nome de sua fundadora a Condeça Dona Paterna, viúva do Conde de Tuy Dom Hermenegildo, que aqui tinhaõ grandiosa quinta, & muitas aldeãs, a qual vendose livre das obrigaçoens conjugaes fez este Mosteiro para nelle se recolher com quatro filhas, acabou-o no anno de 1130. & em seis de Agosto, dia da Transfiguração do Senhor, Dom Payo Bispo de Tuy o dedicou ao Salvador, lançando no mesmo dia à Condeça, filhas, & companheiras o habito de Conegas Agostinhas, de que antigamente tivemos muitos, & hoje só hum Mosteiro tem este Reino em Chellas meya legoa distante de Lisboa: logo lhe meteo para Capellaens, & Confessores sete Clerigos, os quaes no anno de 1138. se fizeraõ Regulares, & a Abbadessa Dona Paterna lhes mandou fazer para a parte do Sul hum claustro com cellas, em que vivessem, ficando as Freyras para o Norte, & o Mosteiro Duplex. Faleceo a Condeça Abbadessa em seis de Janeiro de 1140. & foi sepultada em hum arco da parte de fóra da banda do Evangelho da Capella, que hoje he Sacristia dos Clerigos, aonde se vè sua figura de Conega obrada de meyo relevo sobre o tumulo, & junto de si na mesma sepultura outro de homem armado com huma espada da maõ para o pé; presumimos ser do Conde seu marido, que com ella estará alli enterrado: sucedeo-lhe no cargo de Abadessa sua filha Dona Elvira, a quem ElRey Dom Affonso Henriques fez doação do Couto de Paderne, & da jurisdição civil no anno de 1141. & nella diz lha fazia pelos bons serviços, que lhe fizera, quando elle estava sobre o Casttelo de Castro Laboreyro, a quem tinha cercado, mandandolhe mantimentos, & alguns cavallos, entre elles hum muito fermoso, & jaezado ricamente para sua pessoa. Não se sabe em que tempo se devidirão as Freyras dos Frades, mas acha-se que no anno de 1231. vivião aqui só estes, ou raçoeiros, a quem governava Dom João Pires, que derrubou a Igreja antiga, por ser pequena para os muitos freguezes, que tinhão crescido, & fazendoa novamente, a acabou no de 1264. & he a que existe. Deste foy tam affecto ElRey Dom Affonso o Terceiro, que lhe fez algumas doaçoens, confirmandolhe o Couto no anno de 1248. Em seis de Agosto de 1264. a sagrou Dom Gil Pires de Cerveira (não Egídio, como dizem outros) Bispo de Tuy, ficandolhe o mesmo orago do Salvador. Tem Prior triennal com sete, ou oito Relegiosos, & hum Cura secular com sete mil reis, ao tode setenta mil reis, & para os Frades com as annexas, que se seguem, & Paços, & sabidos perto de tres mil cruzados, de que pagão pensoens: tem quatrocentos & trinta visinhos. Passou este Mosteiro a Commendadores, & nelle o forão sucessivamete dous, ou tres fidalgos do apellido de Mongueymes, & Fajardos, que sendo Gallegos, deixàraõ muita sucessaõ em Portugal, entre ella se acha nesta freguesia a da

Quinta de Pontezellas , que elles fundàraõ, & a possuiu o Capitão Pedro Falcão, por ser casado com filha herdeira de Diogo Ortiz de Tavora, filho de Gregorio Mogueymes Fajardo. O ultimo Commendatario perpetuo, a quem o Chronista dos Conegos Regrantes chama Prior, foy Diogo de Alarcão, por cujo falecimento, permitindo-o ElRey Dom Sebastião, se unio a Santa Cruz de Coimbra no anno de 1594. por Bullas do Papa Clemente Oitavo, com condição, que sempre nelle ficassem Religiosos, que rezassem no Coro os Officios Divinos, & prégassem ao povo, & Clerigos Curas, que administrassem os Sacramentos, razão porque deixàraõ como estava, & foy seu primeiro Prior triennal Dom Nicolao dos Santos. He Couto no civel, & as Freguesias, que se seguem com Juiz ordinario, que faz o Prior, & todos os Officiaes; vem Tabeliães de Valladares escreverlhe hum anno, outros dous no seguinte: o Prior he Ouvidor, no crime, & Orfaõs os de Valladares, & assim o Enqueredor, & Contador; tem duas Companhias, de que o Prior he Capitaõ mór.

S. Thomé do Couço,

Curado annual do Mosteiro de Paderne, rende vinte & cinco mil reis, & para os Frades quarenta mil reis: tem cento & vinte visinhos.

 

   Nossa Senhora de Cubalhão,

Curado do mesmo Mosteiro, rende trinta mil reis, & para os Frades sessenta mil reis: tem oitenta visinhos. Esta Imagem de Nossa Senhora he de pedra, & mui milagrosa. Ha aqui um sitio, a que chamão o Castro, que mostra ser fortificação antiga dos Romanos. Estas duas Freguesias são do mesmo Couto.

P. Antonio Carvalho da Costa

Na officina de VALENTIM DA COSTA DESLANDES

Impressor de sua Magestade, & à sua custa impresso.

Com todas as licenças necessarias. Anno M. DCC. VI.

 

 Retirado de: http://books.google

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 00:05
link do post | comentar | favorito
Sábado, 9 de Fevereiro de 2019

ERA UMA VEZ...

712 - 1 vale minho.jpg

 

A INÊS NEGRA

LENDA DE MELGAÇO

Era uma vez…

 

… Antigamente, havia muitas lutas e batalhas entre Portugueses e Espanhóis, porque ambos queriam ser donos das melhores terras! Numa altura em que Melgaço pertencia a Espanha (Castela), travou-se uma dessas batalhas, em que dentro das muralhas estavam os soldados de Castela, a tentar proteger as terras, e fora das muralhas, os soldados Portugueses, que tentavam reconquistá-las!

Apesar de primeiro terem tentado chegar a acordo, para evitar conflitos, os Reis não se entenderam, e por isso o Rei de Portugal acabou por decidir atacar as muralhas! Mas entretanto, uma mulher, a quem chamavam de Arrenegada por ter preferido ficar do lado de Castela, encheu-se de orgulho e de coragem, e decidiu desafiar uma outra mulher, que vivia fora das muralhas, Inês Negra.

 

Inês era uma mulher do povo, que tinha abandonado Melgaço quando esta Vila se pôs ao lado do Rei de Castela. A Arrenegada desafiou Inês para uma luta entre as duas, e com a concordância dos dois Reis, ficou decidido que quem ganhasse, ficaria dono das terras de Melgaço!

 

No dia da luta entre Inês Negra e a Arrenegada, toda a gente veio assistir, cada um gritando pela sua favorita, como num jogo de futebol, em que cada um grita pelo seu clube! A luta foi forte, com armas, unhas e dentes, ora uma parecia ganhar vantagem, ora a outra, até que finalmente, se ouviu um forte grito… por breves momentos, ninguém conseguiu perceber o que estava a acontecer, até que a Arrenegada se levantou e fugiu para o castelo, escondendo as nódoas e o sangue com as suas mãos! Inês Negra venceu!

 

Com a vitória de Inês, os soldados castelhanos abandonaram as muralhas, praticamente sem oferecer resistência, e Melgaço voltou a ser de Portugal!

 

LENDAS ENCANTADAS DO VALE DO MINHO

LIVRO DE CONTOS TRADICIONAIS E ACTIVIDADES

Edição: Associação dos Municípios do Vale do Minho

2011

 www.valedominho.pt

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 00:01
link do post | comentar | favorito
Sábado, 2 de Setembro de 2017

PONTES ROMANAS E ROMÂNICAS DE CASTRO LABOREIRO

23 d2 - pontes romanas  p aníbal.jpg

 

Ao escolher este tema para o meu primeiro caderno sobre a história e arte das magníficas Pontes que ligam as margens do rio Laboreiro e seus Afluentes, o meu coração de Castrejo bateu mais apressadamente do que é normal: pois tomei uma tremenda responsabilidade perante os meus conterrâneos, quando resolvi soletrar algumas das mais belas páginas do seu rico património histórico e artístico, cujas folhas, constituídas por duro granito da região, continuam a desafiar o tempo e cujas idades se medem por 20 e 8 séculos respectivamente. Apesar da sua já longa existência guardam na sua própria estrutura a mesma grandeza do passado. Por elas passaram os Castrejos de, há já 2.000 anos, e ainda hoje as utilizam para transporem os volumosos cursos de água, no inverno, e os caudais límpidos no Verão. Situada numa grande bacia hidrográfica, esta vetusta freguesia conserva no seu longínquo passado lindas e numerosas pontes que a ligam às civilizações Celta, Romana e Medieval. Embora a sua maior parte haja sido classificada pelo Instituto Português do Património da Cultura, umas como Monumentos Nacionais e outras como Imóveis de Interesse Público, estou certo de que vale a pena descrevê-las em todos os seus pormenores, fazendo o levantamento fotográfico da cada uma, especificando o estilo utilizado na sua construção, com as medidas precisas de altura, comprimento e largura, as vias de comunicação que ligavam e o tempo aproximado da sua construção. É uma tarefa bastante custosa para mim, mas faço-o com o máximo interesse e carinho; pois estas obras de arte e história fazem parte do povo, de quem nasci, e cujo curriculum vitae constitui para mim motivo de orgulho. Os meus defeitos, as suas virtudes estão intimamente ligados ao meu carácter, à minha personalidade. São raízes de um passado, que não volta. Pelo estudo dos seus históricos Monumentos podemos facilmente aquilatar a grandeza e antiguidade da sua civilização. Esperançado em que este meu despretensioso trabalho concorra para um conhecimento mais completo e profundo das antiguidades de Castro Laboreiro, das suas paisagens e das suas gentes, vou iniciar o meu trabalho.

 

Castro Laboreiro, 10 de Julho de 1984

 

Padre Aníbal Rodrigues

 

 

PONTES ROMANAS E ROMÂNICAS DE CASTRO LABOREIRO

 

Autor: Padre Aníbal Rodrigues

 

Edição: Cadernos da Câmara Municipal de Melgaço nº 2

             CÂMARA MUNICIPAL DE MELGAÇO

1985

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 00:51
link do post | comentar | favorito
Sábado, 5 de Agosto de 2017

VERTIGENS

28 d2 - vertigens beites.jpg

 

    (…)

    E aí, de novo, entronca sem dúvida a ideia de “circulação”, desde os sentimentos, repete-se, à estrutura mobilizante de coisas, produtos e mercadorias, da fábrica que se perfila no horizonte económico possuído e a desenvolver (a tinturaria de Sérgio), às relações entre personagens donde nunca está ausente o factor económico, mais ou menos condicionante (à excepção da personagem João Parra) das suas vidas.

    (…)

    Nos seus esforços de “integração” ou adaptação a um quotidiano banal de onde não sabe bem como sair, mas adquirindo sobre isso a firme noção de querer sair e ter de sair, a fuga pelo devaneio desemboca sem consumação no incesto latente, potencial porque sempre sufocado e escamoteado mas que dir-se-ia quase desejado, numa cena (das mais poderosas do livro) em que a dimensão onírica da escrita e da sua descrição fazem surgir um dos mais impressivos e fortes momentos de todo o romance.

    (…)

 

                                                                                                                                    (do Prefácio)

 

 

Vertigens

 

Manuel Beites

 

Edições Triunvirato

 

2005

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 00:05
link do post | comentar | favorito
Sábado, 28 de Janeiro de 2017

OS FORAIS DE MELGAÇO

1 - 31 d2 - forais melgaço.jpg

 

A cultura tem constituído preocupação primária na nossa política municipal. A Câmara de Melgaço tem investido na recuperação do património e na criação de infra-estruturas e equipamentos, assim como na acção cultural e na publicação de livros e textos que registam passagens importantes da nossa história colectiva.

Com a concessão do primeiro foral em 1183, D. Afonso Henriques deu estatuto jurídico e administrativo a Melgaço, fundando assim o nosso concelho.

Ao longo da Idade Média e Moderna foram concedidos mais dois forais, um em 1258 por D. Afonso III e o outro em 1513 por D. Manuel I, vendo assim Melgaço reconhecida a sua autoridade concelhia.

Estando a decorrer a passagem dos 820 anos do primeiro foral de Melgaço, considerou a Câmara Municipal que a publicação dos três forais constituía um investimento cultural que se impunha por se tratar de documentos que são autênticos símbolos de autoridade concelhia e de grande valor patrimonial que marcam três fases importantes da vida da nossa terra.

Ao darmos a conhecer aos Melgacenses e ao exterior marcos tão importantes da nossa história estamos a preservar as nossas raízes e a promover o nosso concelho.

Uma palavra final de agradecimento sincero ao ilustre Melgacense Prof. Doutor José Marques que com esta publicação presta mais um enorme serviço ao nosso Município.

Continuamos a construir o futuro de Melgaço, preservando e engrandecendo os valores da nossa cultura.

 

                      O Presidente da Câmara Municipal

 

 

Os Forais de Melgaço

José Marques

Edição Câmara Municipal de Melgaço

2003

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 00:11
link do post | comentar | favorito
Sábado, 30 de Maio de 2015

VERTIGENS

 

A pedra de toque desta obra de Albertino Gonçalves é a vertigem, uma repentina névoa do olhar que o leva a perder nitidez, associada a um ligeiro desequilíbrio que complica os movimentos, baralhando os gestos e as acções humanas. O sociólogo cujo olhar, por natureza epistemologicamente calculado e vigiado, se deixe tentar pela vertigem deste desequilíbrio humaniza todavia o conhecimento, aproximando-o da condição humana e das figuras que a exprimem, não apenas a ambivalência e o desassossego, mas também o enigma e o labirinto. (…) A indagação sobre a natureza das práticas e das classificações sociais coloca-nos na senda da sua irremível vertigem e viscosa ambivalência, reconduzindo-nos ao quotidiano, prosaico umas vezes, exaltante, outras, em que a existência humana se decide.


Vertigens. Para uma sociologia da perversidade

Albertino Gonçalves

Grácio Editor

2009

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 10:30
link do post | comentar | favorito
Sábado, 15 de Junho de 2013

O MOSTEIRO DE FIÃES

 

 

Quando, em Março de 1981, estava prestes a terminar o ano beneditino, dedicado à comemoração do XV Centenário do Nascimento de S. Bento – acertadamente denominado Patriarca dos Monges do Ocidente e Pai da Europa –, além de termos apresentado uma comunicação ao « I Colóquio sobre Monacato Gallego », intitulada O estado dos mosteiros beneditinos na Arquidiocese da Braga no século XV, escrevemos também três longos artigos, publicados em « A Voz de Melgaço », de 1 e 15 de Março e 15 de Junho, sobre o Mosteiro de Fiães, que, tendo abraçado a Regra de S. Bento, por meados do século XII, algumas décadas depois, aderiu à sua variante cisterciense.

Com estes artigos pretendíamos chamar a atenção dos melgacenses para a extraordinária personalidade e obra de S. Bento e para a importância desta instituição monástica na história do nosso concelho e de todo o Alto-Minho.

Cerca de três anos depois, em 28 de Maio de 1984, passou o 150º aniversário da assinatura do decreto régio da extinção das Ordens Religiosas masculinas, preparado pelo Ministro da Justiça e Secretário de Estado dos Negócios Eclesiásticos, Joaquim António de Aguiar, encerrando-se, então, o longo ciclo de quase setecentos anos de vida documentada deste Mosteiro, geralmente desconhecida não só das gentes de Fiães, mas também dos numerosos visitantes deste monumento nacional.

Em 1834, não era a primeira vez que o Mosteiro de Fiães enfrentava a sentença de morte, pois já, em 1775, tinha sido extinto pelo Marquês de Pombal, vindo, no entanto, a ser restaurado nos primórdios do reinado de D. Maria I, mais exactamente em 1777. Sobre este assunto fizemos uma exposição na Biblioteca Municipal de Melgaço, em 17 de Agosto de 1984, subordinada ao título O Mosteiro de Fiães, da primeira à segunda extinção.

Consideramos, por isso, oportuno e útil ampliar as notas anteriormente publicadas, acrescentando-lhes alguns dos elementos relativos aos últimos decénios de vida e à fase de extinção definitiva desta comunidade, revelados pela primeira vez, em Melgaço, colocando, deste modo, ao alcance do público dados suficientes que lhe permitam vislumbrar o que este Mosteiro ainda era, em 1834, e melhor poder aquilatar da intensa acção demolidora, desde então, contra ele desencadeada, a que só escapou a igreja por ser paroquial.

Este pequeno estudo, que, apesar da sua simplicidade, deveria ter sido publicado, há muito, não podia continuar na gaveta por mais tempo, até porque, neste ano de 1990, está a celebrar-se por toda a Europa Ocidental, nos Estados Unidos e na Polónia, o IX Centenário do Nascimento de S. Bernardo, e a ele queremos associar-nos, proporcionando ao público interessado alguma informação acessível, não só acerca deste extraordinário Abade Reformador e grande Doutor Mariano, mas também sobre a sua grandiosa obra, de que o mosteiro de Fiães é parte integrante.

Neste opúsculo, os romeiros e turistas, que subirem até ao Mosteiro de Santa Maria de Fiães, encontrarão um conjunto de informações documentadas, susceptíveis de responderem a muitas das interrogações que, por certo, implícita ou explicitamente não deixarão de formular sobre ele, desvendando-lhes um pouco da rica história desta comunidade de monges brancos e ajudando-os a compreenderem e amarem o que ainda resta deste antigo cenóbio. Esclarecemos, entretanto, que neste breve estudo privilegiámos os aspectos institucionais, praticamente, desconhecidos.

Nesse intuito, dividimos o presente estudo em duas partes. Na primeira, procurámos traçar uma panorâmica histórica desta instituição, desde os seus primórdios documentados, isto é, desde os meados do século XII, até à primeira extinção, provocada pelo Marquês de Pombal, na segunda metade do século XVIII, preenchendo a segunda parte com os aspectos mais salientes, relativos à mencionada primeira extinção, com as circunstâncias em que se concretizou a exclaustração de 1834 e, finalmente, com a descrição de alguns aspectos inerentes ao património e rendas desta comunidade.

O que aqui fica são apenas algumas notas dispersas, convém frisá-lo. Mas se, apesar disso, de algum modo, conseguirmos sensibilizar o público leitor para a importância dos objectivos acima expostos, sertir-nos-emos, deveras, compensado por este serviço cultural prestado à Comunidade.

 

O MOSTEIRO DE FIÃES

(Notas para a sua história)

 

Autor: José Marques

 

Edição: do autor

 

Braga, 1990

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 08:03
link do post | comentar | favorito
Sábado, 20 de Abril de 2013

CONTOS DA RAIA

 

 

Luís Faria nasceu em Março de 1954, na Casa da Corga, na freguesia de Remoães, Concelho de Melgaço. Hoje é professor do quadro de um agrupamento escolar, destacado na CPCJ (Comissão de Protecção de Crianças e Jovens).

É amante das letras e alguns dos seus autores preferidos são Camilo, Eça, Bocage, António Vieira, Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade, Cervantes, Voltaire e Lorde Byron.

Foi o vencedor do concurso literário lançado no ano de 1992 pela Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar, em associação com a respectiva escola secundária, cujo tema era “O Conto”.

Contos da Raia é o seu primeiro livro.

 

Os Contos da Raia são pequenas histórias romanceadas que acontecem, temporalmente, entre os anos 70 e os dias de hoje e, especialmente, em toda a zona ribeirinha de Melgaço, Serra da Peneda e de Barroso, termas do Peso e Galiza.

À volta das tradições e crenças do povo dessa região, o leitor deparar-se-á com possessões demoníacas, bruxedos, ciganas advinhas, contrabando, vacas do olhar lânguido, casamentos pouco sustentáveis e amores fatais. Se alguns contos são sátiras que provocam facilmente o riso, outros são episódios pungentes, de um romantismo clássico, que convidam à lágrima.

Em Contos da Raia o leitor encontrará as mais deliciosas fábulas e lendas, as mais caricatas personagens humanas e animais e peculiaridades linguísticas e etnográficas essenciais ao património imaterial deste povo raiano. Tudo isto embrulhado pelas mais belas descrições da deslumbrante paisagem minhota.

Contos da Raia é um documento de incomensurável valor cultural.

 

CONTOS DA RAIA

 

Autor: Luís Faria

 

Capa: Ludy Yakael

 

Edição: Papiro Editora

 

Agosto, 2011

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 08:03
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 9 seguidores

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.links

.posts recentes

. O NETO DE CAMILO

. ALTO MINHO - ROTEIRO TURÍ...

. COROGRAFIA PORTUGUEZA - M...

. ERA UMA VEZ...

. PONTES ROMANAS E ROMÂNICA...

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds