Sábado, 7 de Fevereiro de 2015

AUTO DA LADINA VI - FIM

Noite de luar - Alameda 

 

 

(Narrador – batendo palmas e rindo)

 

                                        A Ladina, furiosa,

                                        grita de pronto ao juiz:

 

(Ladina – com um olhar sobrenatural)

 

                                        A voz dele é ardilosa,

                                        inventa tudo o que diz!

 

(Narrador – convincente)

 

                                        Impõe-se o juiz, ‘raivado:

 

(Juiz – olhando a ré com ferocidade)

 

                                        Cale-se mulher cruel.

                                        Nesse corpo do diabo,

                                        Estou a ver – só tem fel!

 

(Narrador – dando um pulo no ar)

                          

                                        Então a Ladina salta,

                                        como uma gata assanhada.

                                        E fala, em voz bem alta:

 

(Ladina – com um sorriso zombeteiro e estranho)

 

                                        Agora já vejo a jogada…

                                        o juiz também está feito;

                                        tem vil parte na fatia!

 

(Narrador – chamando a atenção de todos)

 

                                        Ouçam o escrivão Melancia.

 

(Escrivão – deveras zangado)

 

                                        C’os diabos! N’há respeito.

                                        Estamos num tribunal,

                                        ou numa taberna imunda?

                                        Confesso: nunca vi tal,

                                        Nunca vi tal barafunda!

 

(Ladina – dirigindo-se exclusivamente ao juiz)

 

                                        Toma cuidado, juiz,

                                        pela boca o peixe morre;

                                        é o povo quem o diz…

                                        vê bem como o vento corre!

 

                                        Não te quero fazer mal,

                                        mas não me irrites a pele;

                                        há bonito animal

                                        que letal veneno expele!

 

                                        Aquele tecto é duro,

                                        mais do que a tua sentença;

                                        por todos os deuses juro,

                                        que o provo sem detença.

 

(Narrador – com os cabelos revoltos)

 

                                        O juiz… quer adiado,

                                        o julgamento infernal;

                                        já é tarde! O coitado

                                        foi lançado ao vendaval!

 

(Agir, em cena, de acordo com esta situação; o Narrador continua)

 

                                        A sala parece um ringue,

                                        os socos dão-se a rodos;

                                        em linguagem bilingue,

                                        todos ofendem a todos!

 

                                        A ambulância é chamada,

                                        leva f’ridos ao hospital;

 

(Vozes populares)

 

                                        Isto… é pura cegada,

                                        é mesmo do carnaval!

 

 

(Narrador – já completamente exausto)

 

                                        Eis a grã-judiciária,

                                        P’ra resolver a questão.

 

(Agente da judiciária – apaontando para Ladina)

 

                                        Vai p’ra penitenciária,

                                        não há outra solução!

 

(Narrador – com aspecto de quem vem da festa)

 

                                        Transportada p’ra prisão,

                                        sob escolta apertada,

                                        vai esp’rando a ocasião,

                                        para a fuga imaginada!

 

                                        Sobre as costas leva um xaile,

                                        seu corpo, velho parece;

                                        seu olhar está num baile:

                                        tudo vê e nada esquece!

 

                                        Os guardas atentos vão,

                                        sabem que ela é p’rigosa;

                                        querem vê-la na prisão,

                                        ou mesmo na Gorongosa!

 

                                        Os rapazes vão atrás

                                        (o espectáculo querem ver)

                                        é o Zi, o Tó, o Brás…

                                        nadinha podem perder!

 

                                        Um acontecimento assim,

                                        apenas um eu conheço:

                                        o do velho Joaquim,

                                        Thomaz Joaquim Codeço.

 

                                        Homem de muitas matanças,

                                        na guerra civil andou;

                                        herói das extravagâncias,

                                        vidas sem conta ceifou!

 

                                        Mais dum século decorreu,

                                        sobre a morte do malvado;

                                        e, por ironia, morreu

                                        sob as balas dum soldado!

 

                                        Mas voltando à heroína,

                                        que nos traz tão ocupados…

                                        Ei-la, a bela Agripina,

                                        de olhos tão magoados!

 

                                        Não sei se vai chorando,

                                        mas não é costume nela;

                                        mulher de aço, mostrando

                                        rostinho de Cinderela!

 

                                        Vai magicando a maneira

                                        de fugir por esses montes;

                                        tomar banho na ribeira,

                                        beber água em puras fontes.

 

                                        Quando avista a ermidinha

                                        da Senhora da Candeia,

                                        implora: «minha santinha,

                                        livra-me da vil cadeia».

 

                                        De repente, furacão!...

                                        parecendo que ia cair,

                                        atira-se ao duro chão,

                                        para de novo subir!

 

                                        Nas mãos areia transporta,

                                        aos olhos da guarda a atira;

                                        para o verme não há porta,

                                        pelas montanhas se estira!

 

                                        Os guardas, surpreendidos,

                                        com os olhos areados,

                                        dizem não estar vencidos,

                                        apenas ludibriados!

 

 

 

(O Narrador, neste passo, interrompe. Muda de roupa e, solene, diz)

 

                                        Buscou Terras de Labreiro,

                                        com os lobos foi viver;

                                        comeu raiz do pinheiro,

                                        para à fome não morrer.

 

                                        Lutou p’la sobrevivência,

                                        tudo fez p’ra resistir;

                                        mas no auge da violência,

                                        acabou por sucumbir!!!

 

                                        Um exército de guardas

                                        por todo o lado a cercou;

                                        só se viam espingardas…

                                        e um só tiro bastou!

 

                                        Foi de raspão, numa perna,

                                        e logo Ladina tombou;

                                        par’cendo vir da cisterna

                                        o sangue fértil jorrou!

 

                                        Desta vez não resistiu,

                                        a triste sorte aceitou;

                                        sua boca não se abriu,

                                        os olhos semicerrou.

 

                                        Par’o hospital a levaram,

                                        num silêncio sepulcral;

                                        e mesmo f’rida a vigiaram

                                        como a feroz animal!

 

                                        Mais tarde a atroz Ladina,

                                        uns vinte anos apanhou;

                                        mas o juiz que a condenou,

                                        morreu de morte malina!

 

                                        Foi para Lisboa cumprir

                                        esses anos de prisão;

                                        para ensinar a mentir

                                        aos lisboetas d’então!

 

                                        Não sei se à terra voltou,

                                        se cumpriu todo esse tempo;

                                        estou certo, não chorou,

                                        por mais esse contratempo!

 

                                        Fosse qual fosse a sentença,

                                        uma coisa é mais que certa:

                                        «O crime jamais compensa»,

                                        Por isso, amigo: - alerta!

 

 

                                                           FIM

 

 

FAMÍLIA CAMBÓRIO

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 08:57
link do post | comentar | favorito (1)
Sábado, 31 de Janeiro de 2015

HOMENAGEM AO PACHORREGO E AUTO DA LADINA V

 Ribadávia – Ruela do Barrio Judio

 

Chedas, pagas tu, num pagas ?

 

A atracção – legítima, indiscutivelmente – que as festas dos nossos vizinhos espanhóis exerciam e continuam a exercer sobre a população portuguesa arraiana não é um segredo para ninguém. Se há zonas onde essa atracção é mais significativa, o concelho de Melgaço faz parte delas e ocupa, sem dúvida alguma, um lugar honorável.

O acontecimento que vou narrar conheço-o desde os primórdios da minha adolescência. Nunca o instigador de tal feito me confirmou ou desmentiu a sua veracidade. Porém, como fui espectador duma e figurante noutra das suas frequentes manivérsias, para mim, a autencidade do episódio ficou estabelecida.

O Alfredo Lourenço do Paço, mais conhecido por Pachorrego, era barbeiro no cimo da rua da Calçada, em Melgaço, correspondente local de alguns jornais regionais e, entre outras "actividades" bem mais controversas, um crava inveterado que não hesitava em intrujar para chegar aos seus fins. Tinha as faculdades decisivas indispensáveis a todo crava: o descaramento, a lábia e a perspicácia. Em princípio, existem duas categorias de cravas: os que o são por divertimento e os que o são por necessidade, sendo estes últimos bastante mais numerosos. O Pachorrego era-o, no mesmo grau, pelas duas razões, e o seu talento excepcional, reconhecido unanimemente, transbordara os limites do concelho.

Naquele domingo de tarde, como todo pendura que se preza, encontrou quem lhe desse boleia para ir à Feira do Viño do Ribeiro, em Ribadávia. Esta vila medieval, antiga capital do Reino Galego, estava separada de Melgaço por menos de uma quarentena de quilómetros, passando pela fronteira de S. Gregório. Para os abundantes "enologistas" daquela região raiana, tanto portugueses como galegos, esta festividade que, desde 1963, reúnia dezenas de produtores, era infalível, obrigatória. Podia dizer-se que era uma romaria cujo santo era o suco da uva.

Uma vez em Ribadávia, o barbeiro limitou-se a percorrer pacatamente as ruelas do bairro judeu e a inspeccionar os seus numerosos bares e furanchos* à procura de "patos" que, entre duas de paleio, lhe fossem pagando umas tigelas de branco. Mas se, por milagre, o Céu lhe enviasse um papalvo e tivesse oportunidade de o "trabalhar" como só ele sabia, então acabava sentado diante dum prato de anguilas, de pulpo ou de callos, as suas iguarias predilectas, assim como da imanente garrafa de vinho branco do Ribeiro. Eram, lamentavelmente, ocasiões escassas, mas os cravas são pacientes e perseverantes, atributos que lhes são próprios.

A tarde foi decorrendo normalmente. Para tigelas, não teve dificuldades em arranjar "clientes", mas, questão petiscos, não encontrou ninguém que correspondesse aos critérios essenciais para encarar, ainda que fosse, uma mera tentativa.

O seu estômago, já bem encharcado, precisava de consistência para calar o borborigmo incessante dos intestinos. Meteu a mão no bolso direito das calças e verificou os "câmbios". O dia de feira fora bastante frutuoso, graças a Deus. Dera uma parte à mulher, comprara duzentas pesetas na loja dos Pereiras, no sábado de manhã, e pusera de parte uns miúdos para os dias seguintes. Mas duzentas pesetas não permitiam loucuras. No cardápio, as anguilas e o pulpo tinham a sua preferência. Porém, o bom senso aconselhava-lhe um prato de callos, mais abordáveis pecuniariamente, e uma ou duas tigelas de vinho, no máximo.

Decidiu dar mais umas voltas. Nunca se sabe. Houve ocasiões em que, por uns minutos, perdera manjares substanciais. Infelizmente, ao cabo de meia hora, o passeio revelou-se infrutífero e a sua barriga, exorbitante, implorou-o. Capitulou e pôs-se a caminho da Taberna Papuxa. Serviam bem, já lá comera várias vezes, conhecia o patrão e era a melhor relação qualidade/preço que descobrira em Ribadávia.

A sala estava concorrida, como as de todas as tascas da vila num dia de festa, mas havia mesas disponíveis. Sentou-se e, passados dois minutos, foi o patrão, o Ciprian, que veio ter com ele. O Ciprian, desde o primeiro dia, simpatizara com o "jornalista" português, estatuto que o anódino correspondente se autorizava interessada e pretensiosamente. Encomendou um prato de callos, uma tigela de tinto (com carne impunha-se o tinto !) e muito pão; depois, veria, disse-lhe.

— Ciprian !  – gritou quando este se afastou – Diz à tua mulher que num trema, qu’eu tenho a barriga grande, bem o sabes.

Tranquilo, Alfredo.

Primeiro veio a tigela de tintol e o pão, ao qual o Pachorrego se atirou. Quanto ao vinho, ia esforçar-se por acabar a refeição com uma única tigela. O prato de callos, abarrotado, chegou pouco depois. Salivou ao ver fumegar aquelas tripas com garbanzos que tinham a cor e o cheiro característico do açafrão espanhol ! Pegou imediatamente na colher – na Taberna Papuxa os callos comiam-se com colher. O Ciprian sorriu e desejou-lhe bom apetite.

O Alfredo não o ouviu, apenas tinha olhos para o prato de callos, dos quais se desprendia um cheiro que lhe fazia dançar as narinas. Regalou-se. Valia a pena petiscar na taberna do Ciprian. O estômago consolidou-se e os intestinos emudeceram. Contudo, nestas ocasiões, algo o impedia de se sentir totalmente satisfeito e até o incomodava: o ter de pagar. Era uma reacção espontânea, convulsiva que, por vezes, lhe dificultava a digestão. Para se relaxar, cravou um cigarro a um dos indivíduos da mesa do lado e magicou até dar a última passa. Chegara o momento penível da dolorosa.

Levantou-se. Foi quando viu entrar o Manuel Chedas, um conterrâneo famoso por ser um forreta inveterado. Instantaneamente, o cérebro iluminou-se-lhe e entrou em jogo a sua clarividência. Dirigiu-se para o balcão, encostou-se e, discretamente, observou os seus movimentos. O homem hesitou entre duas mesas antes de se sentar.

O Pachorrego começou a pôr em prática o plano que a sua imaginação tramara instintivamente.

— Ciprian, olha, anda cá ! – pediu ao dono da taberna, que se aproximou.

— Aquele que se sentou ali é um grande amigo meu, entendes ? – e designou o Chedas com um movimento de cabeça – Peço-te que o trates como me tratas a mim, vale ?

Sí, home, sí.

— Bom, então prepara a minha conta enquanto o vou saludar.

Sorridente, acercou-se da mesa do Chedas e apoiou-se nela.

— Caralho, Chedas, tamem num falhas uma !

Como resposta, obteve um grunhido.

— Vais comer, nam ?

Ao Chedas, que o conhecia há muito e muito bem, bastaram-lhe estas sucintas palavras para aperceber o perigo. Não, não seria à sua pala que o Pachorrego se empanturraria.

— Por acaso até vou. Por quê ?

O porquê era provocante, trocista e firme; advertia-o da inutilidade de se aventurar mais.

— Por nada, Chedas, era só pra saber. Por acaso aqui come-se bem.

E, em sinal de consideração, deu-lhe uma palmadinha no ombro, antes de acrescentar: 

— Mas pagas uma tigelinha, nam ? É festa, caralho…

O Chedas estava à espera dela. Era como quem lhe arrancava a alma, mas assentiu com outro grunhido só para se ver livre dele. Metia-lhe pena e asco, simultaneamente.

O barbeiro voltou para o balcão e, desta vez, pediu uma tigela de branco ao patrão. Agarrou nela e disse-lhe:

— Ah ! Quem paga a minha despesa é o meu amigo Manuel. Aí atrás fiz-lhe uns jeitos…. Sabes como é, non, Ciprian ?

E, virando-se para a mesa do Chedas com a tigela levantada, gritou:

— Chedas, pagas tu, num pagas ?

— Pago, pago ! – replicou aborrecido o questionado, pensando, evidentemente, que o Alfredo se referia à tigela de vinho.

Vale, Alfredo, vale ! – limittou-se a dizer o dono do bar.

O barbeiro esvaziou a tigela, despediu-se do Ciprian e encaminhou-se para a saída. Ao passar diante da mesa do Chedas, prometeu-lhe:

— Logo, se nos virmos, pago eu, Chedas.

Não obteve resposta. Era-lhe igual. Já estava a imaginar a cara que faria quando o Ciprian lhe apresentasse a dolorosa. Ia-lhe custar digerir, ia sofrer e certamente arrepender-se de ter ido a Ribadávia.

O Pachorrego sabia perfeitamente que a manigância que acabara de realiazar teria consequências, fossem elas quais fossem, mas adorava estes impulsos irresistíveis que o faziam jubilar profundamente. Já passara momentos difíceis, era verdade, mas, até ao presente, sobrevivera às multíplices represálias.

A sensação de estômago pesado cedera o lugar a um bem-estar indescritível. Feliz, acendeu um cigarro dos seus e percorreu as duas ruelas que desembocavam na artéria principal de Ribadávia. Agora é que a festa ia começar.

 

 

Junho de 2014

 A. El Cambório

 

*Furancho (ou loureiro) – É um local geralmente situado no fundo da casa do lavrador, no qual, durante uns meses por ano, pode vender, livremente, a produção caseira de vinho.

  

 

AUTO DA LADINA V

 

Ti Zé Carcereiro

 

 

(Narrador – parecendo escandalizado)

 

                                        E nesta onda de «ditos»

                                        seguiram para a prisão;

                                        ela pensando: malditos!

                                        vamos ver quem tem razão!

 

(Neste passo o narrador muda de tom de voz)

 

                                        Exaustos, rotos, vingados,

                                        chegam à cadeia com ela.

 

(1º guarda – dirigindo-se ao carcereiro)

 

                                        Abre, Neu, os cadeados,

                                        mete esta bruxa na cela.

 

(Narrador – mais calmo)

 

                                        Todo o processo se inicia

                                        e vai, enfim, a tribunal;

                                        a sentença s’anuncia:

                                        é no mês de carnaval!

 

(O Narrador, aqui, dá duas fortes gargalhadas)

 

                                        Foram buscá-la ao cárcere,

                                        sentam-na no banco dos réus;

                                        o juiz, tal com um prócere:

                                        semi-homem, semi-deus!

 

(Ladina – com ar solene)

 

                                        Sobre esta bíblia eu juro

                                        só a verdade proferir;

                                        condene-me Zeus por perjuro,

                                        mate-me Alá por mentir.

 

(Narrador – sentencioso)

 

                                        E perante o auditório,

                                        a ré sua «estória» conta;

                                        no banco atrás falatório:

 

(Vozes – admiradas e irritadas)

 

                                        «Ela, peça a peça, monta»!

 

(Narrador – retomando o discurso)

 

                                        O advogado contrário,

                                        interrompe a habilidosa.

 

(Advogado – de pé, virado para o juiz)

 

                                        Isso é conto do vigário,

                                        é «estória» engenhosa!

 

(Juiz – com ar carrancudo)

 

                                        Deixe, Sir, falar a ré,

                                        seja, Sir, mais educado;

                                        isto não é cabaré…

                                        é um lugar respeitado.

 

(Narrador – dando a impressão de lastimar)

 

                                        O advogado… seco engole,

                                        e pensa para os seus botões:

                                        «o cliente que se amole,                                        

                                        não posso com safanões»!

 

(O Narrador, neste passo, altera a voz)

 

                                        Eis que é chamado o moleiro.

                                        Todo ele é comoção.

 

(Vozes da sala do tribunal)

 

                                        Terá sido só por dinheiro

                                        qu’ele vendeu a Conceição?

 

  

 

(Narrador – olhando para o moleiro)

 

                                        O moleiro, atrapalhado,

                                        fala quase em surdina.

 

(Moleiro – dando a sensação de falar para o universo inteiro)

 

                                        Não pensem que sou malvado,

                                        que sou um reles lupina;

                                        eu tenho catorze filhos

                                        e, a minha profissão,

                                        nos anos de maus milhos,

                                        deixa-me a casa sem pão.

 

                                        A minha mulher, coitada,

                                        é uma pobre doente;

                                        de roupas, não tem pitada!

                                        de comer… sabe-o a gente!

 

                                        Eu precisava de dinheiro,

                                        por isso a criança vendi;

                                        Eu sou honesto moleiro,

                                        não devia estar aqui!

 

                                        Trabalho de sol a sol,

                                        não há descanso p’ra mim;

                                        na cama, não há lençol…

                                        na mesa, só um petim!

 

                                        Tanta boquinha inocente,

                                        a pedir-me de comer;

                                        eu, zangado, descontente,

                                        nem sei o que hei-de dizer!

 

                                        No mundo foi sempre assim:

                                        uns são ricos, outros pobres;

                                        o pobre é mau, é ruim…

                                        os ricos são sempre nobres!

 

                                        Essa mulher me iludiu,

                                        a verdade não me contou;

                                        com todos os dentes mentiu,

                                        quando a criança comprou.

 

(Canta)

 

                                        O moleiro é pobrezinho,

                                        mal ganha para comer;

                                        depende do seu moinho

                                        e da água a correr.

 

                                        Recebe como maquia

                                        um punhadinho de grão;

                                        e trabalha noite e dia

                                        p’ra que outros tenham pão.

 

                                        Não tem qualquer instrução,

                                        nunca frequentou a escola;

                                        não conhece outro chão

                                        senão o da terriola!

 

                                        Nos brutos pés usa chancas,

                                        sapatos não pode usar;

                                        a porta dispensa trancas,

                                        pois nada tem p’ra roubar!

 

                                        Deixa prole numerosa,

                                        nada mais pode deixar;

                                        deixa à morte poderosa

                                        tanta vida pra ceifar!

 

                                        Deixa o mundo sem queixumes,

                                        parte tal como chegou;

                                        nascido entre estrumes

                                        ao estrume regressou.

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 10:36
link do post | comentar | favorito
Sábado, 24 de Janeiro de 2015

AUTO DA LADINA IV

Monte

 

(Enquanto se muda de cenário, o narrador esclarece o público)

 

                                        Parte com outro soldado

                                        para os montes, à procura

                                        desse ser endiabrado,

                                        para a meter em clausura.

 

(1º guarda – dirigindo-se ao outro guarda)

 

                                        Havemos de a encontrar,

                                        nem que seja no inferno!

                                        Sem ela, não vou voltar:

                                        Nem lhe vale o pai eterno!

 

 

(Narrador – com ar sério)

 

                                        Montes e vales correram…

                                        Fardas rotas, pés descalços;

                                        quanta fome eles venceram…

                                        quantos foram os percalços!

 

                                        Aos dias, seguiram dias…

                                        Eles, sem nada encontrar!

                                        ‘sp’rança e ódio, os guias;

                                        um prestígio a reencontrar.

 

                                        Em certa manhã nebulosa,

                                        a sorte bateu-lhes à porta.

 

(2º guarda – falando para si próprio em voz alta)

 

                                        Como a sorte é caprichosa,

                                        mas que venha é o qu’importa!

 

(Narrador – gesticulando)

 

                                        É o guarda florestal

                                        que a Ladina apercebe.

 

(Guarda Florestal – apontando)

 

                                        Ela está no matagal,

                                        fugiu de mim como uma lebre.

 

(Narrador – fingindo estar comovido)

 

                                        E logo os três a cercaram,

                                        dando-lhe voz de prisão:

                                        seus cães-lobos mandaram

                                        trazê-la à sua mão.

 

(1º guarda – agarrando a mulher sem parcimónia)

 

                                        Até que enfim, mulher maldita,

                                        nunca mais me escaparás!

 

(E dirigindo-se ao outro guarda)

 

                                        Traz-me, Toino, aquela guita,

                                        atêmo-la aqui atrás.

 

(Narrador – com ar triunfante)

 

                                        Meteram-na na carripana,

                                        e ataram-na, bem atada.

 

(2º guarda – de punho fechado)

 

                                        Nunca mais foges, cigana,

                                        a aventura tens findada!

 

(Ladina – com um olhar furioso)

 

                                        Não o penseis, desgraçados,

                                        filhos de uma mãe impura;

                                        já a mais espevitados…

                                        eu cavei a sepultura!

 

 

(E, sem ninguém o prever, atira-se do jeep abaixo, e rola por uma ribanceira enorme. Pelo caminho a corda que a atava deu de si. O Narrador, atónito, diz):

 

                                       Quando foge, esbaforida,

                                        poço profundo avista;

                                        e com desdém pela vida

                                        mergulha sem deixar pista!

 

                                        Os guardas, sem hesitar,

                                        despem-se num segundo;

                                        cumprindo, da lei, preceito:

                                        o castigo é neste mundo.

 

                                        A Ladina, como um gato,

                                        como filha de Pluto,

                                        mesmo dentro do regato,

                                        traça um plano arguto:

 

                                        Deixar-se passar por morta,

                                        castigá-los no seu brio;

                                        o gozo é o que importa

                                        a este ser de sangue frio!

 

                                        Já em terra, bem prostrada,

                                        corpo sem vida ali jaz;

                                        diz um guarda: -«que maçada,

                                        mais um problema nos traz».

 

                                        Improvisam forte maca,

                                        da sua roupa lhe vestem;

                                        e sem ganhar mais pataca,

                                        caminho íngreme investem!

 

                                        Horas e horas suando,

                                        mal dizendo sua sorte;

                                        corpo «morto» carregando

                                        levando a própria morte!

 

                                        Finalmente vê-se a estrada,

                                        poisam-na com certo cuidado;

                                        pele dos ombros rasgada,

                                        lombo forte castigado!

 

                                        Nesta altura, a Ladina,

                                        filha de deus gozador,

                                        levanta-se do estupor

                                        e diz-lhes, tal Agripina:

 

                                        Filhos pobres do homem-deus,

                                        seres sem inteligência;

                                        tolos, porcos e sandeus,

                                        falhos de toda a ciência!

 

                                        Morta… eu? Génio do mal,

                                        filha do olímpico Zeus,

                                        senhora do vendaval…

                                        dos oceanos, dos céus!

 

                                        Tudo posso, se o quero;

                                        dou vida ao impossível!

                                        Sou a mãe do doido Nero

                                        conduzo a nau do Terrível!

 

                                        Se me prendeis, perdeis-vos!

                                        Porque as prisões são imagens,

                                        devoro-as, como miragens…

                                        Meus «homes» - arrependei-vos!

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 11:01
link do post | comentar | favorito
Sábado, 17 de Janeiro de 2015

AUTO DA LADINA III

Forno comunitário

 

 

(Enteado – prosseguindo)

 

                                        Não me enganas, assassina,

                                        vais pagá-las de uma vez;

                                        anda cá, alma malina,

                                        seu monstro de malvadez!

 

 

(Narrador – com um sorriso de satisfação)

 

                                        E seu gargalo apertou,

                                        com fúria de tresloucado;

                                        seus dentes de cão ferrou,

                                        naquele corpo danado!

 

(Ladina – enraivecida)

                                      

                                        Larga-me, filho de cão.

                                        Entrega-me à autoridade.

 

(Narrador – aparentando tristeza)

 

                                        E rota, ferida, no chão,

                                        metia dó à piedade!

 

( algum tempo depois…)

 

                                        Eis a nobre autoridade,

                                        imponente e barrigana!

 

(1º guarda – com cara de mau)

 

                                        Anda, vamos para a cidade,

                                        pincha para a carripana.

 

(Ladina – com olhar choroso)

 

                                        S’or guarda, não me prenda,

                                        o meu homem não matei;

                                        eu juro por Santa Alzenda,

                                        eu respeito muito a lei!

 

(Narrador – conivente)

 

                                        O guarda não quis ouvir,

                                        e para a prisão a levou.

                                        Pelo caminho, ela pensou:

                                        «Não o poderei sacudir?»

 

                                        Melhor o fez do que o pensou,

                                        pois ao incauto guarda seduz!

 

(Ladina – primeiro, tira-lhe o barrete; depois, entrega-lho)

 

                                        Sr. Guarda, o seu capuz

                                        que da cabeça voou!

 

(1º guarda – mostrando compaixão)

 

                                        Obrigado, minha santa,

                                        tudo isto me entristece;

                                        quanta pena tenho, quanta!

                                        Libertar-te… me apetece.

 

(Neste momento a Ladina abraça o guarda; o narrador, cúmplice, pisca um olho à plateia e diz:)

 

                                        E ela, já confiante,

                                        seu corpo gordo rodeia;

                                        sorridente, triunfante,

                                        seu bruto olhar incendeia.

 

                                        O guarda não pode mais

                                        e a bota mete ao travão.

 

(1º guarda – abraçando fortemente a fêmea)

 

                                        Mulher dos meus ideais,

                                        mulher do meu coração!

 

(Narrador – tentando imitar a cena)

 

                                        E ali, na carripana,

                                        possuir quer, a amada;

                                        porém, a hábil cigana,

                                        lança-lhe a sua jogada!

 

(Ladina – desprendendo-se bruscamente)

 

                                        O meu corpo será teu,

                                        a liberdade será minha;

                                        não sejas porco sandeu,

                                        na minha proposta alinha.

 

 

(Narrador – sentencioso)

 

                                        O guarda, desesperado,

                                        não sabe como reagir:

                                        quer o corpo desejado,

                                        mas a lei não quer trair!

 

                                        É tão grande a tentação,

                                        que a lei ao diabo manda;

                                        reage com a paixão…

                                        é o coração quem comanda!

 

(O guarda atira-se à mulher. Ouve-se a respiração dos dois. Mais tarde, o narrador prossegue):

 

                                        Satisfeito, o seu desejo,

                                        diz à pressa, com um ganido:

 

(1º guarda – segurando ainda as calças)

 

                                        Pensas tu que tenho pejo

                                        Em romper c’o prometido?

 

(Narrador – apontando para o que se está a passar)

 

                                        Mas a ladina, prevenida,

                                        dá-lhe um tal safanão,

                                        que o deita logo ao chão

                                        e foge – quase despida!

 

(Aqui, actuar de acordo com a cena)

 

                                        O guarda corre, aflito,

                                        à procura da pistola.

 

(1º guarda – muito atrapalhado)

 

                                        Aonde está? (já estou frito),

                                        aonde está… a mariola?!

 

(Narrador – com os braços cruzados)

 

                                        Nesta grande confusão,

                                        não encontra mais o norte;

                                        cabelo em desalinho, calças na mão,

                                        já diz mal da sua sorte.

 

                                        Para o quartel, triste, volta,

                                        jurando, um dia, se vingar;

                                        é tão grande , a sua revolta,

                                        que junto da imagem vai rezar.

 

                                        «Por minha mãe santa, juro,

                                        que não mais vou descansar,

                                        enquanto não apanhar,

                                        esse asqueroso monturo».

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 21:22
link do post | comentar | favorito
Sábado, 10 de Janeiro de 2015

AUTO DA LADINA II

Em Pomares

 

AUTO DA LADINA

 

 

(Narrador – com entrada triunfal)

 

 

                                        Vou-vos contar uma história

                                        que acho muito engraçada:

                                        a de uma mulher sem glória,

                                        a de uma pobre coitada!

 

                                        Passou-se tudo em Melgaço,

                                        concelho do Alto Minho;

                                        fonte do rico bagaço,

                                        alforge do verde vinho.

 

                                        Foi nos anos de quarenta,

                                        era do grão Jesus Cristo;

                                        mas se o fora em noventa

                                        não alterava nada isto!

 

                                        Chamavam-lhe a Ladina,

                                        vivia lá p’ras montanhas;

                                        aonde sua alma malina

                                        forjava coisas estranhas.

 

                                        Casou com um velho rico

                                        para ganhar gorda tença;

                                        - coitado do Angelico:

                                        assinou sua sentença!

 

                                        Compra veneno pró labrego,

                                        e no comer lho vai pondo;

                                        e seu plano dispondo…

                                        como hábil estratego!

 

                                        Mas p’ra sua fortuna herdar

                                        precisam de ter herdeiro;

                                        assim, lesta, vai comprar

                                        a filhita do moleiro!

 

                                        Esse pobre desgraçado,

                                        homem de pouca ciência,

                                        vendeu a alma ao diabo,

                                        sem disso ter consciência.

 

                                        Conceiçãozita lhe vende,

                                        em troca de mau dinheiro;

                                        mas, antes, dizer entende:

 

(Moleiro – com um olhar feroz)

 

                                        Ouve: não conheces o moleiro!

 

(Ladina – convincente)

 

                                        Podes ficar descansado.

                                        Já não sou uma menina!

                                        Eu só conheço o diabo,

                                        ou não me chame Ladina.

 

(Narrador – movendo-se com agilidade)

 

                                        Foi para casa apressada,

                                        e a dose do veneno dobrou;

                                        e quase sem dar por nada,

                                        no inferno o velho entrou!

 

                                        No dia seguinte ao da morte,

                                        aos quatro ventos gritou,

                                        que era mulher de sorte,

                                        que grande fortuna herdou!

 

                                        E apresentou a criança

                                        ao enteado int’resseiro.

 

(Enteado – triste e ridículo)

 

                                        Lá se vai a minha herança,

                                        sou apenas meio herdeiro!

 

 

(Narrador – olhando os espectadores nos olhos)

 

                                        Mas um vizinho matreiro

                                        que a felina espreitou,

                                        disse:

 

(Vizinho – apontando para a criança)

 

                                        - a criança é do moleiro,

                                        com dinheiro ela a comprou!

 

(Narrador – sempre virado para o público)

 

                                        O enteado ouvindo isto,

                                        enfurecido – gritou:

 

(Enteado – com os olhos fora das órbitas)

 

                                        Por nosso Jesus Cristo,

                                        se à justiça não vou!

 

(Narrador – com um salto malandreco)

 

                                        A Ladina, descoberta,

                                        tentou criar confusão;

                                        e logo – com voz incerta,

                                        falou-lhe ao coração:

 

(Ladina – toda ternura)

 

                                        Meu filho, não acredites

                                        no que esse homem te diz;

                                        só te peço que medites:

                                        quem mais a teu padre quis?

 

                                        Eu fui uma boa esposa,

                                        e serei uma boa mãe;

                                        achas que sou aleivosa?

                                        Mataria eu… teu pai?

 

(Enteado – com ar desconfiado)

 

                                        Não o sei, por Satanás!

                                        Quem te fez essa criança?

                                        O meu pai era incapaz…

                                        só a tinha p’ra mijança!

 

( depois... -  apontando)

 

                                        Naquele caixão de riga,

                                        está um homem sem voz;

                                        não te encheu essa barriga,

                                        nem podia com uma noz!

 

                                        Como é possível ter filhos,

                                        sem ‘star nove meses prenha?

                                        Não sei por que subtis trilhos

                                        levas água à tua azenha!

 

                                        Enganaste bem meu pai,

                                        não me enganarás a mim.

 

(Ladina – desesperada)

 

                                        Ai, ó meu povo – ai, ai,

                                        livrai-me do Benjamim!

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 10:41
link do post | comentar | favorito
Sábado, 3 de Janeiro de 2015

AUTO DA LADINA I

Cena medieval

 

AUTO DA LADINA

 

TODA ESTA HISTÓRIA FOI IMAGINADA PELO AUTOR. QUAISQUER SEMELHANÇAS COM A REALIDADE É PURA COINCIDÊNCIA.

 

 

Este auto tem por base uma história real. Sabe-se, contudo, que um auto é sempre uma composição de índole ficcional, dramática, pelo que, assim sendo, não será de estranhar que os quadros aqui apresentados não correspondam, ponto por ponto, aos factos históricos e registados no processo jurídico que eu, humildemente o confesso, nunca li.

A Ladina existiu. Foi presa por homicídio voluntário. Mas, já antes do homicídio, em Agosto de 1948, tinha comprado «pela módica quantia de 200$00», uma criança em Fiães a uma tal Antónia Maria Freixo (esta mulher, dias antes, tivera duas gémeas, além de uma dúzia de filhos que já lhe enxameavam a humilde casa) e com ela engendrado uma das suas famosas tramóias!

Quando foi presa a primeira vez conseguiu fugir aos soldados da G.N.R.!

A sua segunda fuga foi da própria prisão! Emagreceu, emagreceu, até conseguir passar pelas grades (com a ajuda, claro, de uma milagrosa serrinha que alguém lhe ofertou)! Uma autêntica obra-prima. Um prodígio de audácia e, simultaneamente, de desprezo pela vida.

Capturada, após peripécias várias, foi julgada e condenada a vinte e um anos e oito meses de prisão maior. Enviaram-na para a penitenciária de Lisboa logo a seguir ao veredicto. Depois disso, perdeu-se-lhe completamente o rasto, dando, assim, origem ao mito, à lenda.

É bem possível que não tenha cumprido toda a pena: algumas amnistias, bom comportamento, talvez tenham contribuído para que ao fim de uns anos ela tenha regressado definitivamente às suas montanhas.

 

 

O narrador aparece no palco. Um sorriso nos lábios. Diz, em voz alta:

– Apresento-vos as personagens:

 

LADINA – Uma raposa. Mulher de 25 anos de idade, magra, morena, cabelos negros, olhos castanhos e enigmáticos. A sua estatura é a habitual nas mulheres do tipo galego. Pouco instruída escolarmente. De uma voluntariedade extrema, ambiciosa, arguta – capaz de tudo para conseguir os seus fins. Fins esses, convenhamos, pouco ortodoxos.

 

VIZINHO – Homem de idade. Olhar inteligente. Aldeão sem características especiais.

 

VELHO – Homem tipicamente provinciano. Com algum dinheiro (produto da venda de uns terrenos e também daquilo que amealhou durante os anos de França). Ronda, nesta altura, os sessenta anos de idade, mas aparenta um pouco mais, como estão a ver…

 

CRIANÇA – Bebé do sexo feminino. Magro e com bastante cabelo.

 

MOLEIRO – Homem baixo e forte. Aparenta ter quarenta e cinco anos de idade. Analfabeto. O seu olhar é de uma pessoa tosca e tímida, não acham?...

 

ENTEADO – Rapaz de vinte e dois anos de idade. Quase 1,70 de altura. Magro, mas de porte atlético. Instrução primária. Trabalha a terra, como seu pai. Tendo ficado órfão de mãe aos dezoito anos, pensou sempre que o seu progenitor não voltaria a casar, pertencendo-lhe, assim, todas as terras e a casa onde habitam.

 

1º GUARDA – Baixo, gorducho, cabeça grande. Um pouco velhaco e muito orgulhoso. Teimoso como um burro, persegue as suas presas até as ver bem fechadas na cela da prisão.

 

2º GUARDA – Muito parecido com o seu colega: 1,65 de altura, trinta e cinco a quarenta anos de idade, setenta a oitenta quilos de peso. Pernas arqueadas, andar extremamente cómico.

 

GUARDA FLORESTAL – Figura simpática, respeitador da lei e da ordem. A sociedade, para ele, não devia ter gente má. Por isso, colaborava com os agentes dessa ordem em prol, diz, do extermínio dos malandros.

 

JUÍZ – Como todos os juízes de Portugal: uma barba austera, num rosto grave; um olhar frio, num rosto inexpressivo; distante dos outros como convém a quem julga e não é julgado.

 

ADVOGADO DE ACUSAÇÃO – Um verdadeiro dândi: barba à Antero de Quental, sorriso abundante. Bom orador, conjugando os verbos em todos os tempos e modos.

 

ESCRIVÃO – Pessoa de meia idade. Habituado a obedecer, fica surpreendido com a atitude afrontosa de Ladina. Protótipo do funcionário público manga d’alpaca.

 

AGENTE DA JUDICIÁRIA – Grande como um touro. Meia idade, olhar penetrante e com uma personalidade forte.

 

E finalmente eu, o NARRADOR – Posso ser homem ou mulher, ou travesti; tenho de saber utilizar uma voz zombeteira quando necessário. Neste auto (farsa) vai ser preciso usá-la algumas vezes.

 

Mas finda a apresentação…

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 11:11
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 6 de Março de 2013

ENCONTRO COM INES II

 

 

    Quem é ela? Quem é? Porque é que a conheces tão bem? Quem é? Lembras-te bem dela. Quem é? Quem é … quem é … quem??? Éééé …? quem?

    Apetece-me blasfemar, gritar bem alto … quem é ela?

    Quando levanto os olhos para a mesa em frente e … aí está!

    Quem é? Está sentada a beber a bica, a olhar o vazio.

    Fiquei estarrecido. O “taft-taft”, o quem é, o finalmente ela chegou, o é hoje, é hoje, bateram-me no estômago. Autêntico K.O. De repente, a força dum conhecimento antigo ao olhar novamente para ela acalmou-me. Sim, conhecíamo-nos há muito. Muito tempo e chegou a hora de nos reencontrarmos.

    A mosca do empregado, vindo não sei donde, fez-lhe o troco e quando eu quis reagir … ela saía do café. Fiquei como uma estátua e na cabeça uma martelada, é ela … ela! Elaaaa … Só lhe falta o nome, mas é ela …

    No quiosque, à saída, encontrei-a. Aí explodi:

    — Olá! …

    Olhou-me com um sorriso nos lábios e, como velhos amigos que se reencontram, gargalhou:

    — Olá …

    Feitas as compras e as apresentações, a sensação do murro no estômago voltou.

    — Chamo-me Inês

    Tinha um ligeiro sotaque que me fazia lembrar alguém … um lugar … não sei o quê.

    Um passeio pela Avenida, naquela noite de Verão, conversa … sussurro, sentados na relva a ouvir ao longe o barulho do trânsito, o Mozart que eu curtia, Frederico gregoriano em missas que eu não assisti …

    Os bombos e as gaitas de foles, o tio Miro e os putos com faixa vermelha à cinta e tigela no Ti Raul, para baixo porque para cima a paragem era na Maria do Nau …

    Cheirava ao estanho do Frederico, aos ácidos do Pires, ao som do Reinales e à reguada do Professor Afonso.

    Afinal, e proposto por ela, fomos para junto do rio.

 

(continua)

 

tags:

publicado por melgaçodomonteàribeira às 12:05
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 5 de Março de 2013

LADINA VI

 

 

Presa, foi logo julgada.

Para o ex-candidato a esposo, durante as audiências, interrogatórios ou reconstituições verbais do crime, nem olhar, nem desprezo. Tenho a certeza que se o olhasse vomitava. Afinal fora ele e outros como ele que a tinham atirado para aquele caminho. A exploração braçal no campo, de sol a sol, e senhorial durante a noite.

Foram sempre, senhor e dono.

Se fossem rapazes novos, belos, viris, com a vida estampada no rosto, ainda vá que não vá, para isso nascemos, mas velhos tinhosos, patrões de escravos, que contavam as notas antes de deitar, isso não.

Tentara … falhara …, voltara a tentar e a falhar e outra vez e outra ainda e vezes sem conta. No campo, na aldeia, na vila, na cidade, ela tentara e ela perdera. Ela mesmo despoletara as armadilhas que pusera no trilho da sua vida.

Tinha pena da defunta, mas ela não sabia secar erva, sachar milho, fazer vindima. Aquelas mãos tão perfeitas nunca tinham amassado pão. Muito menos o pão que o diabo amassou. Se calhar já tinham tocado piano, e…

O martelo abateu-se sobre a mesa, e dedo em riste, saído por entre aqueles panos negros, riso escárnio na boca sem lábios, a serpente sibilou:

— Culpada.

Ela sabia, finalmente chegara ao fim. Apostara tudo e tudo perdera.

— E por não mostrar arrependimento de tão horroroso crime, vai cumprir, vinte e um anos e oito meses de prisão maior.

Não ouvia o bichanar no tribunal, quando caiu sobre ela a sentença final. Foi de imediato transferida para a Penitenciária de Lisboa, por questões de segurança. Era o fim.

Sofreu o enxovalho da prisão, triste e sozinha. Envelheceu, como que mirrou e ao fim de todos aqueles anos, regressou à sua aldeia.

Onde nunca fora feliz, mas podia respirar o sol da liberdade e sentir o amor dos pássaros que debicavam as cerejas amarelinhas com nódoas de encarnado…

 

Camborio Refugiado

 

tags:

publicado por melgaçodomonteàribeira às 20:51
link do post | comentar | favorito

LADINA V

 

 

O plano de fuga tomou forma, logo que se apercebeu, que menos uma grade na janela e uns quilos no corpo, tinham a forma da liberdade.

As raras visitas, com grandes cunhas nos funcionários judiciais e pouco agrado de carcereiros, terminavam sempre em choradeira.

— Coitadinha, eles matam-te de fome.

— Sr. José, a coitadinha está tão magrinha …

— Sr. José, vele por ela que pode ficar tísica.

Um dia chegou o resultado de um sussurro na orelha da visita amiga e foi pelo decote que desceu a serra, qual pomba em liberdade no seu pensamento.

A autópsia era demorada, mas já o não deveria ser o resultado, o julgamento e o veredicto final:

— Culpada - dedo em riste e olhar flamejante, saído por entre aqueles panos negros.

Ninguém a reconheceu ao amanhecer, aquele esqueleto dançante, metido entre roupas de gigante. Quantos quilos lhe valeram a liberdade …

A amiga também não faltou com a ajuda, e duas horas de mula, um ribeiro a transbordar, quedas e silvas, sabor de se sentir livre. O caldo de farinha e couves, entre linguajar diferente, era um verdadeiro manjar, mas com o corpo habituado a pouco ou nada ingerir, acentuou-se. Demais sabendo-se um peso para aqueles amigos, pobres dos mais pobres, mas que tanto tinham feito por ela.

Chegar á cidade e falar a sua língua era o seu desejo, que semanas depois viu comprido, depois de muito penar por montes e vales que a justiça não a esquecera.

Surpresas lhe estavam reservadas. Seu porte altivo tinha regressado e o seu peito a ser cobiçado. A cidade, em tudo uma desilusão. Era uma vilazinha, um pouco maior que a sua. Os tostões acabavam-se, e havia que acautelar o futuro. Depressa se apercebeu que sem dinheiro voltava á velha saga e se não caía nas mãos deste, era nas daquele.

De senhor a azeiteiro, de polícia a ladrão, não havia olhos que a não tivessem cobiçado. E antes cair diante da careca gordo, forrado a notas, do que farda ou vadio. Mas despercebida não passava e as autoridades actuaram.

 

(continua)

 

tags:

publicado por melgaçodomonteàribeira às 20:44
link do post | comentar | favorito

LADINA IV

 

 

Cada vez mais branca, cada vez mais magra. Só o seu porte de grande senhora não encolheu dentro do caixão mais estreito da vila.

— É o mais belo, o mais florido … a dar ouvidos a todas as línguas da vila.

Os parentes barafustaram porque o próximo casamento do senhor já estaria marcado.

— Sim, marcado e com a criada – dizia a voz do povo.

— E antes da criada chegar ela era saudável e ninguém lhe cobiçava fortuna.

— Morreu envenenada.

— Mataram-na.

— Queremos autópsia.

Era realmente a voz do povo a fazer-se ouvir.

Que barulheira! Até parecia que morrera o rei (desculpem, mas sou republicano).O barulho foi tanto ou tão pouco que logo a GNR se pôs em campo para apanhar o autor de tão hediondo crime.

E, enquanto os valorosos guardiães da sociedade venciam as dificuldades da serra, Ladina enfrentava as fúrias amorosas do seu “prometido” esposo, com o olhar fixo nas vigas de carvalho do quarto da cama grande, quem sabe, traçando, desde já, o destino do ainda seu senhor. Quando este, já saciado, gozava as delícias de um merecido descanso, ouve-se o ladrar dos cães, a vozearia da criadagem, o tilintar de ferros.

Senhor à guarda do cabo, alto e espadaúdo, como convém na autoridade, cabeça de rato bem acentuada por raros pêlos eriçados do bigode regulamentar, e já Ladina, meia vestida meia por vestir, uma mão segura as saias, outra a matilha, corre desabrida pelos campos. A repousar da corrida, ofegante, cabeça entre os joelhos, costas apoiadas num palheiro, é surpreendida por dois soldados que lhe iam no encalço.

Segura pelos braços entre os dois seguia, cabeça bem levantada, peito a arfar; parada militar, tão certo era o passo. Um baixo, gordo, seboso, careca, que o boné e restante fardamento não deixam mentir. Outro, fininho e baixo quanto baste, levemente atrapalhado com a figura meia composta daquela que conduziam, gritava com voz aflautada:

— Vamos, vamos …

Ao atravessar o pinhal, Ladina estacou, olhos nos olhos de um e outro, e falou:

— Por favor preciso de parar.

— Pararás quando chegarmos – foi a resposta – agora é sempre a andar.

Sem os desfitar, ela atirou:

— Sou mulher e não sou como vocês, voltem só as costas para eu me agachar. Afinal são dois homens e com armas, e eu não penso fugir.

Os soldados da GNR e o olhar de Ladina … O olhar venceu. Quando voltaram as costas, porque a espera era longa (daí vem o olho de lince característico desta força militar), de Ladina nem rasto. Fugira.

Correu, saltou, esfolou-se, até ser vencida pela fadiga.

Familiares da defunta e forças da GNR encurralaram-na.

— Finalmente presa – pensam uns.

— Tenho que fugir – pensa a outra.

Cadeia da vila e para ela cela especial.

 

(continua)


tags:

publicado por melgaçodomonteàribeira às 12:36
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 9 seguidores

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

27
28
29
30
31


.links

.posts recentes

. AUTO DA LADINA VI - FIM

. HOMENAGEM AO PACHORREGO E...

. AUTO DA LADINA IV

. AUTO DA LADINA III

. AUTO DA LADINA II

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds