Sábado, 21 de Abril de 2018

OS NOVOS LUSÍADAS

250 - 002 (2).jpg

 

Certo dia, como se fora um qualquer lunático, passou-me pela cabeça continuar «Os Lusíadas», obra escrita por Luís Vaz de Camões no século XVI. Se ele, em circunstâncias assaz difíceis, sem a preciosa ajuda dos computadores e seus programas, sem livros de história ali à mão, sem dicionários, sem enciclopédias, sem nenhuma biblioteca de apoio. Conseguiu levar a cabo aquela imensa epopeia, aquele monumento literário, aquele alforge de saber e imaginação, também eu, ser humano como ele, poderia construir algo parecido. Acontece que génios como Camões só surgem no planeta de cem em cem mil anos; logo, teremos muito que esperar e desesperar. Os seus vastos conhecimentos, a sua capacidade de apreender tudo aquilo que o rodeava, as suas leituras da juventude, a sua vivência, a sua escrita empolgante, são irrepetíveis. Apesar de saber tudo isso, vou dar início a este louco empreendimento, sabendo de antemão que vai ser obra pequena, defeituosa, inacabada. A vida é assim, não se pode parar. Eça de Queirós e Camilo Castelo Branco na prosa, Amália Rodrigues no fado, José Afonso na canção, Travassos, Eusébio, Figo e Cristiano Ronaldo no futebol, Livramento nos patins, Joaquim Agostinho no ciclismo, Carlos Lopes, Fernando Mamede, e Rosa Mota no atletismo, etc., foram figuras cimeiras na sua arte, na sua profissão. No entanto, outros artistas foram bons, ou aceitáveis, sem contudo atingir a perfeição dessas estrelas. «Parar é morrer», já diziam os nossos antepassados. Por isso, mãos à obra. A história de Portugal é riquíssima, há muita matéria-prima a explorar. Quem sabe se esta ousada iniciativa não irá estimular alguém com mais talento e saberes do que eu? Aguardemos.

 

Em mil e quinhentos sai do Restelo

A frota comandada por Cabral;

Os navios levam pão, chirelo,

Muita carne, conservada em sal…

Iam em busca de terras, dum selo,

Para a nobre causa de Portugal.

Descobriram, “por acaso”, o Brasil,

Rico de matas, ouro, rios mil.

 

………………..

 

Vou abraçar os meus velhos amigos,

Se é que ainda algum por lá mora;

Comerei com eles belos formigos,

O estonteante doce de amora;

Fumeiro, vinho, são ora inimigos,

Mas por eles nosso paladar chora.

Os anos destruíram nossa mente,

Oxalá dê fruto nossa semente.

 

 

OS NOVOS LUSÍADAS

(tentativa de continuação de «Os Lusíadas» de Camões)

Joaquim A. Rocha

Edição do Autor

Janeiro 2018

pp.5, 29, 180

 

Joaquim A. Rocha edita o blogue Melgaço, Minha Terra

 

 

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 00:10
link do post | comentar | favorito
Sábado, 21 de Outubro de 2017

UM DE CAÇADEIRA E OUTRO DE CACETE

47 a2 galvão.jpg

 

CORREIO DE MELGAÇO Nº 149, DE 16/5/1915

 

Um meliante qualquer, de Paderne, do qual não se sabe o nome, que trabalha há tempos em Espanha, roubou, a 14/5/1915, a Manuel José Fernandes, proprietário de Alvaredo, um redeiro, que aquele cidadão tinha a secar perto do rio Minho. Preso, com o objecto roubado, foi conduzido a esta Vila por dois cabos de polícia, daquela freguesia, um armado com espingarda caçadeira e o outro munido de um bom cacete. O atrevido gatuno, porém, ao chegar a Galvão de Cima, perto da Vila, deu ás de Vila Diogo, deixando os representantes da autoridade de cara… à banda! O cabo da polícia que trazia a arma caçadeira ainda deu ao gatilho por duas vezes, mas… cruel decepção! a arma era velha e para maior infelicidade estava descarregada, não podendo fazer fogo sobre o gatuno que – auxiliado pelas rijas gâmbias – atravessou campos e o regato de Prado, pondo-se em bom lugar. Os seus perseguidores ainda tentaram procurá-lo pelos campos de centeio, mas em vão o fizeram, pois não o viram mais. Resolveram então vir contar o caso ao administrador do concelho e fazer-lhe entrega da rede roubada, que o meliante tinha deixado como recordação.

 

 

CORREIO DE MELGAÇO, 14/12/1916

 

Na noite de quinta-feira, 14/12/1916, foram lançadas duas bombas, uma à porta da estação telégrafo-postal e administração do concelho, outra à porta de casa da residência do administrador do concelho.

Foi, sob prisão, à administração do concelho, Manuel José Fernandes, por se suspeitar que estivesse ligado ao atentado de 14/12/1916 contra o administrador Joaquim de Sousa Alves; voltou para casa horas depois.

 

 

Retirado de:

                  Dicionário Enciclopédico de Melgaço

                  Volume I

                  Joaquim A. Rocha

                  Edição do autor

                  2009

                  p.227

 

Joaquim A. Rocha é o editor do blog Melgaço, Minha Terra

 

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 00:11
link do post | comentar | favorito
Sábado, 30 de Julho de 2016

E A BANDA NÃO TOCOU...

 trio raiano

 

CORREIO DE MELGAÇO 208, 23/7/1916

 

«Fomos informados de que no dia 16 do corrente se deu um conflito na vila de Castro Laboreiro entre as praças da Guarda Fiscal e o povo daquela freguesia. Contam-nos que originou tal conflito o facto de pretender a Guarda Fiscal que a música, que era a de S. Gregório, fosse tocar à porta do quartel, com o que o povo não concordou. Por este motivo, o reitor, um pobre velho, não consentiu que a banda tocasse à porta do quartel o que, segundo nos informam, lhe deu em resultado receber do guarda Sousa, numa loja e em público, duas bofetadas. Dizem-nos também que nessa loja se encontrava o cabo Félix, comandante do posto, e outras praças, contra as quais o povo, vendo o seu reitor desfeiteado, se revoltou, havendo uma refrega entre ele e a Guarda Fiscal, tendo dela saído ferido o guarda Puga, que também nos dizem encontrar-se em tratamento no hospital militar de Valença. Foi apresentada queixa em juízo contra o reitor e o padre João Evangelista Rodrigues, como promotores da desordem, constando-nos também que participação idêntica vai ser apresentada no mesmo juízo contra os guardas Sousa e todos os guardas presentes. Além da queixa que nos dizem será mandada para juízo, outra seguirá por intermédio das autoridades competentes até ao Ministro das Finanças.»

 

 

Dicionário Enciclopédico de Melgaço II

Joaquim A. Rocha

Edição do autor

2010 

Joaquim A. Rocha, editor do blog  MELGAÇO, MINHA TERRA

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 00:29
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 9 seguidores

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

27
28
29
30
31


.links

.posts recentes

. OS NOVOS LUSÍADAS

. UM DE CAÇADEIRA E OUTRO D...

. E A BANDA NÃO TOCOU...

.pesquisar

 

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds