Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

GUERRILHEIROS ANTIFRANQUISTAS EM CASTRO LABOREIRO

melgaçodomonteàribeira, 28.03.20

 

REFUGIADOS E GUERRILHEIROS ANTIFRANQUISTAS EM CASTRO LABOREIRO (1936 – 1943)

 

Américo Rodrigues

Castro Laboreiro, 25.05.2017

 

ASSALTO A PORTO QUINTELA AO COMÉRCIO DOS PARADA

 

No dia 4 ou 5 de setembro de 1940, Gabriel, Saturnino e José do Quarto estavam no Bago, na casa de Maria Negrita. Juntaram-se Manolo, Francisco de Lobeira e o Rizo que propuseram o atraco de Porto Quintela. Manolo argumentava, “que era uma vergonha que estivessem tão inativos os elementos roxos fugidos que existiam em Portugal, que, para mostrar o seu amor à República, era preciso cometer algum atraco em povos da província de Ourense próximos a Portugal.” (Róman, 2016:143).

No dia 10 de setembro de 1940 à noite, reunidos em monte próximo de Várzea Travessa, estão Gabriel, Saturnino, Francisco, José do Quarto, Rizo e mais uns quantos. Guiados por José do Quarto, seguem em direção ao lugar da Fraga pelas Motas (antas ou dólmenes), continuam por cima do povo de Santa Cristina, baixando pelo monte da Coroa em direção a Porto Quintela. Tinham um cúmplice em Lobeira, Gumersindo, amigo de José do Quarto. Chegam à capela de San Isidro de madrugada. Fazem à volta de dezassete quilómetros. Permanecem ali ocultos até ao à tardinha desse dia 11, pelas 19:30. O assalto correu mal devido à resistência bélica dos irmãos proprietários. Morreram duas pessoas, no comércio, e dois assaltantes foram baleados de morte. Regressam com os dois feridos e as autoridades alertadas. Por segurança e escuro, possivelmente, fizeram quase o mesmo trajeto. De volta à fronteira, quase sempre a subir, o esforço é enorme. No monte, enterram os dois mortos, que tinham sido feridos, o Joven e Valentin (Róman, 2016:159).

Luisinho, que não participou no assalto, diz que os sepultaram à beira de uma corga, perto da fronteira. Refere que a vinda das chuvas e crescidas, a água destapou os pés dos cadáveres. Os que estavam no lugar do Bago, na casa de Maria Negrita, entregam roupas com sangue para lavar, justificando com a matança de uns frangos na casa de familiares de José do Quarto, em Lobeira. Obviamente, ajudaram a carregar os feridos.

A notícia espalha-se depressa. De 14 a 20 de setembro a documentação é basta, o comandante de Castro Laboreiro, contacta co o comandante do batalhão nº 3 de Valença. Há contactos com Melgaço e PVDE do Peso, com o objectivo de prender os refugiados no Ribeiro e do alvoroço das populações castrejas, em virtude do assalto à mão armada. Há tropas espanholas na raia. Apesar da perseguição, os guerrilheiros não têm receio. No mês de novembro de 1940, assalto em Padrenda, Lobios, ao comércio de Celso González.

No dia 5 de janeiro de 1941, são presos, no Bago de Baixo, na casa da Negrita, Saturnino Darriba, Gabriel Hernandéz e José do Quarto.

Algo curioso é o confiscado aos presos no relatório da PVDE. Relógio de Ouro roubado em Porto Quintela, várias pistolas, uma Astra do nove largo, carregadores de balas, granadas, bombas, documentos, fotos de família, selos, dinheiro, preservativos, etc.

Volto ao Rizo. Em julho de 1941 já está preso em Portugal. Na prisão de Ourense terá a companhia de um preso famoso, Bailarin, já referido, que atuava na zona transmontana. Aponta Valentin, Guilhermo, Gerardo, Coella, Serin e o Joven, como amigos de Manolo o Dente de Ouro. Identifica como assaltantes ao comércio de Rio Caldo, Guilhermo, Gerardo, Coella, Serin e a Arcádio. Nega a participação no assalto de Paderne de Alariz. Seria Arcádio o guerrilheiro do segundo grupo que saiu de Trás-dos-Montes em direção ao Minho depois de Joven e Valentin?

Nesses tempos, sem conseguir precisar ano e mês, os castrejos José Augusto Fernandes e Rosa Monteiro, andando na ladeira de M. Martins com o gado foram surpreendidos por muita chuva, e para se abrigar, foram para a Mina dos Refugiados e, “descobriram um cadáver de um galego”. Não podemos precisar, se foi dentro ou fora da mesma. Considerando que a corga fica à beira da mina, com algum espaço, o enterramento deve ter sido fora. Havia dois cadáveres? Não encontrei resposta.

A mina fica na zona do itinerário calcorreado pelo grupo e coincide com o dizer de Luisinho, quando refere a corga junto à raia. A zona é a primeira segura para quem traz feridos, numa estafa de quilómetros. Naquele espaço, da serra do Laboreiro, não existem fragas que possam servir de abrigo. A dita “Mina” foi escavada próximo da corga, aproveitando o declive da ladeira e a barroca macia. Outro testemunho, recolhido há quinze anos, referia que ao cadáver já faltava cabelo por causa da corrente da água, que o destapara, o que vai de encontro às palavras do Luisinho. Não consegui apurar o que aconteceu ao cadáver encontrado.

Considerando o terreno e os dados conhecidos, na nossa modesta opinião, a Mina dos Refugiados deve ser lugar a considerar no enterramento de Joven e/ou do amigo Valentin. É verdade que também tenho conhecimento de sepulturas em Poços de Telo e Toleiros (um cadáver foi levantado), de possibilidade mais remota, atendendo à localização. Apareçam mais dados.

No dia 9 de setembro de 1941, sentença pelo assalto de Porto Quintela. Condenação à morte de Gabriel, Saturnino, José do Quarto, Francisco e Gumersino. São executados em 22 de dezembro de 1942 (Róman, 2016:233).

A 24 de maio de 1943, novo assalto a Torneiros, Lobios, sete companheiros capitaneados por José Rodriguez Páramo, Pepe, o Dente de Ouro, que vai ser baleado de morte num braço. Aguenta vários quilómetros e morre no lugar de Pereira, já próximo da raia, onde ainda fala com vizinhos do lugar. Para trás ficou outro guerrilheiro desconhecido que foi identificado em assaltos de 1940. Os dois foram fotografados para a posteridade. Pepe foi autopsiado e sepultado em Entrimo.

Neste espaço temporal de dois-três anos, outros assaltos sucederam, como o do comércio de Rio Caldo. O grupo era bastante activo. É difícil dizer quantos homens tiveram o(s) grupo(s) e os seus nomes.

Para outras calendas vão ficar nomes como Emilio, o Capitan, também Mala Pinta ou Emilio Aguado, que continuava a monte em setembro de 1943 (Róman, 2016:274).

Pelo menos num assalto participam castrejos do Ribeiro. Estamos numa época difícil. Os primeiros assaltos doutrinados por Manolo Dente de Ouro eram ideológicos, visavam castigar simpatizantes da direita e provocar alguma agitação na fronteira. Como distinguir banditismo de luta ideológica?

 

*Docente de Informática. Administrador de Sistemas Informáticos.

  Áreas de formação (Universidade do Minho): Informática, Matemática e Educação.

  Co-Fundador do Núcleo de Estudos e Pesquisa Montes Laboreiro.

 

Boletim Cultural de Melgaço

Nº 10

2018

pp. 200 - 204

 

 No Alto de Acebo (limite de Galiza e Astúrias) dezasseis combatentes republicanos foram fuzilados pelas tropas falangistas e atirados para uma vala comum. Eis a história da descoberta do local:

"Eles dous (aínda que non só foron eles dous) foron obrigados a cabar unha zanxa para enterrar aos cadavres no ano de 1937. A idade que eles tiñan por aquel entón sería sobre os 14 anos e recordábano perfectamente, pois supoño que son cousas difíciles de esquecer, e máis ainda tendo 14 anos. O certo é que un deles sabía perfectamente os pasos que había que dar desde un carvallo ou desde calqueroutra árbore ou desde unhas rochas. Foi por eles que durante algún tempo que só eran testemuñas silenciosas do avance das máquinhas que unha vez falaron, de seguida encontraron os restos."

Xosé Garcia

E um dos corpos exumados era o do Comandante Moreno, anarquista, integrado no Batallón Galicia

E PARA HONRAR O COMANDANTE MORENO FICAMOS EM CASA

 

26/03/2020  13:25 por LUSA

CERCO SANITÁRIO MOSTRA A PARADA DO MONTE QUE NEM O "CANTINHO" ESTÁ SALVO.

O cerco sanitário em torno da aldeia de Parada do Monte despertou os 370 habitantes para uma "realidade" que não imaginavam ser possível, por viverem num "cantinho" do concelho de Melgaço que julgavam "guardado" da covid-19.

O "pesadelo" começou na segunda-feira, com a confirmação de um casal de idosos infetados com o vírus de covid-19 e transformou-se "numa coisa do outro mundo" com o terceiro caso e a consequente imposição do cerco sanitário decidido na quarta-feira pela Câmara de Melgaço, no distrito de Viana do Castelo, para conter a propagação da doença.

"Ninguém imaginava uma coisa destas. Isto é uma coisa do outro mundo. E no concelho de Melgaço, infelizmente somos nós os primeiros", desabafa Helena Barreiros.

Aos 48 anos, dona de uma mercearia da aldeia", "nunca" imaginou "estar a viver um pesadelo" que sempre pensou ser impensável em Parada do Monte.

288-47-Parada-branda de Fitoiro-209.JPG

 branda de fitoiro - parada do monte

 

TERÇA-FEIRA, 31 DE MARÇO, MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA PUBLICA UM NOVO POST

 

VAMOS TODOS FICAR EM CASA

 

 

 

 

ANTIFRANQUISTAS EM CASTRO LABOREIRO E MELGAÇO

melgaçodomonteàribeira, 11.01.20

P1090625 Américo Rodrigues e unha testemuña da v

    américo rodrigues e uma testemunha da vida arraiana em melgaço na época das ditaduras

 

REFUGIADOS E GUERRILHEIROS ANTIFRANQUISTAS EM CASTRO LABOREIRO (1936 – 1943)

 

 Américo Rodrigues (1)

Castro Laboreiro, 25.05.2017

 

A freguesia montanhosa é rodeada a norte, nascente e sudeste pela Galiza – várias comarcas – perfazendo a raia seca entre Minho e Lima, traçada desde o marco 2 ao 53. No sul da freguesia, a fronteira é riscada pelo rio Laboreiro, desde Mareco ao sul do Ribeiro de Baixo. Pela sua situação geográfica, nos anos trinta, o contrabando era a principal indústria local. Em 1936 existiam três postos de Guarda Fiscal (GF): Portelinha (saída da freguesia em direcção a Melgaço), Vila (central) e Ameijoeira, junto ao marco 52 e 53. Fora da freguesia, bem perto, o posto de Alcobaça.

Nos anos 70, nas inverneiras, os caminhos eram empedrados e a luz era de candeia. À época, minha avó materna tinha teto de colmo. Era normal os vizinhos juntarem-se à troula (2) para matar o tempo invernal nas noites mais longas. Depois da ceia castreja (3), os contos nos escanos, junto ao lume, eram para todos os gostos. Ocupavam o palco brilhantes narradoras, nascidas nos primórdios do século XX. O guião histórico e cultural era sempre riquíssimo. É verdade, nestas terras altas, discorrendo sobre assuntos do terrunho, as mulheres sempre foram mais sábias que os homens, condenados desde tenra idade às agruras da emigração. A guerra civil de Espanha (1936-1939) por vezes vinha à baila. Os “roxos” (4), sem saber na verdade quem eram, os falangistas ou Francisco Franco, que tinha o nome do meu avô paterno – Francisco Rodrigues falecido numa pedreira de Paris em 1933 -, começaram a fazer parte do meu léxico.

Os dois esconderijos de refugiados mais próximos do lugar do Barreiro, a Gruta dos Refugiados do Piorneiro (na verdade dois sítios), e a Lapa da Ponte Cimeira, em frente ao monte da Fraga, eram referências obrigatórias. Alguns vizinhos, principalmente rapazes novos, tinham levado comida aos galegos que estiveram nesses locais. No Piorneiro estiveram homens fortemente armados. Chegaram a fazer um carro de vacas para particular. Quem não faltava também, nesses passos nostálgicos, eram os escapados que acolheu a vizinha da minha criação, Isabel Domingues, a tia Carvalha, também Valenciana, no Barreiro e em Queimadelo, lugar onde a tia Monteira também os recebia. Estes desesperados muitas vezes ajudavam na economia do lar, com víveres ou dinheiro. Contribuir com trabalho braçal era raro pela excessiva mão de obra (5) existente naquele período e pela pobreza dos sítios.

Eu imaginava a gabada beleza da professora Eudosia Lorenzo Diz, “a Maestra”, denunciada de forma covarde e aprisionada a 17 de maio de 1938, juntamente com os seus progenitores, pelo chefe da Polícia de Vigilância e Defesa do Estado (PVDE, de 1933 a 1945) do Peso, acompanhado de guardas do Posto de Portelinha, no lugar do Rodeiro, onde  ensinara as primeiras letras às crianças que a procuraram, na casa de António Domingos Rendeiro.

Salvou-se milagrosamente e rumou a Marrocos, via Lisboa, em 10 de agosto de 1938. Tinha chegado a Castro Laboreiro em 20 de julho de 1936.

Rosaura Rodriguez Rodriguez, refugiada, apesar da jovialidade, já tinha quase 80 anos, morava numa casinha feita pelos vizinhos no lugar de Açureira, a 200 metros da minha escola primária de inverno. Era de Bouzadrago, aldeia galega que dista poucos quilómetros. Optara por ficar para sempre no lado português. Desaparecida a loja permanente do tio Bernardo no lugar, quando os vizinhos subiam às Brandas esta mulher, aparentemente singela, ficava sozinha, rodeada de carvalheiras durante muitos meses. Sem medo algum, dava que cismar aos mais novos, era uma vida de mistério e coragem.

Fascinou-me sempre o episódio da morte violenta do guarda fiscal na taberna da Macheta, Vila de Castro Laboreiro. É verdade que fui educado a desconfiar de guardas mas, seria correcto os contadores da tragédia não condenarem o crime de forma inequívoca? O atirador teve poiso em Várzea Travessa, Barreiro (casa da tia Carvalha) e Ribeiro de Cima, suspeitava-se que era um oficial importante da aviação, apresentava-se de forma impecável, fato e gabardina, muito educado, tinha escola, diziam os castrejos que com ele privaram. Era conhecido por Manolo, o Dente de Ouro. Depois do trágico acidente foi confrontado pelas autoridades no Ribeiro de Cima. O perfil, desaparecer sem deixar rasto, e o acontecimento brutal e decisivo que colocou as autoridades definitivamente no encalço dos refugiados, ficou para sempre na memória da freguesia.

Os galegos que prenderam no Bago de Baixo foram fuzilados. A guarda cercou o lugar e foram encontrados na côrte das vacas na casa dos Negritos. Estavam na moreia do estrume (6), roçado no monte e destinado à cama dos animais. Usaram estacas de ferro para os procurar e fazê-los sair.

Júlio Medela, refugiado da Lobeira casou no lugar de Formarigo, os filhos frequentaram a escola e os bailes casadoiros com os nossos pais.

Contavam-se fatias de assaltos violentos a lojas galegas nos anos 40, realizados por alguns escapados. Os atracadores usavam armas de guerra. O Rizo e Enrique, o Médico, eram nomes famosos.

Na minha criação, estas e outras referências a nomes, profissões, locais e episódios, ainda abundavam por toda a freguesia.

A Guerra Civil de Espanha de alguma maneira fez parte da minha meninice. Há muito que o tema me fascina, anda na minha cabeça, algumas vezes pensei em escrever sobre o assunto, mas tinha algum receio, porque me faltavam dados e, principalmente não valorava convenientemente a temática.

 

(1) Docente de informática. Administrador de Sistemas Informáticos.

Áreas de formação (Universidade do Minho): Informática, Matemática e Educação.

Co-Fundador do Núcleo de Estudos e Pesquisa Montes Laboreiro.

(2) Serão nocturno de convívio.

(3) Jantar.

(4) Alguém politicamente das esquerdas.

(5) Centenas de homens que emigravam normalmente para Espanha e França estavam junto à família.

(6) Em Castro, mato constituído de tojos, carqueijas, etc.

 

BOLETIM CULTURAL DE MELGAÇO

Nº 10

2018

pp. 168-172

 

HOMENAGEM A PEPE VELO EM MELGAÇO

 

P1090611 Presentación do acto.JPG

 apresentação do evento

 

P1090618 Momento do descubrimento do  monolito.JPG

 descerrar do monolito

 

P1090632 Representante Deputación de Pontevedra.J

 representante deputación de pontevedra

 

P1090634 Representante Cámara de Melgaço.JPG

 representante câmara municipal de melgaço

 

P1090621 Xosé González Martínez (Asociación Lo

 xosé gonzález martínez - asociación lois peña novo

 

P1090627 Antonio Piñeiro,  estudoso de Pepe Velo

 antonio piñeiro estudoso de pepe velo e traballa na casa do concello de celanova

 

P1090649 Público en xeral o día da inauguración

fotos cedidas pelo senhor xosé garcia 

 

A PÁGINA ON-LINE DA CÂMARA MUNICIPAL DE MELGAÇO, PORTAL MUNICIPAL DE MELGAÇO, NÃO DEDICOU UMA ÚNICA LETRA A ESTE EVENTO QUE FOI PATROCINADO PELA PRÓPRIA CÂMARA.

O LILI DO TEODORICO

melgaçodomonteàribeira, 24.11.18

1x - melgaço vista geral pires.jpeg

 

UM LUGAR ONDE NADA ACONTECIA…

I

O Lili do Teodorico era o assunto de momento. O Alfredo Pereira, mais conhecido como Pandulho, oficial de diligências, divulgou que o rapaz fora indicado pelo ministério público e iria a julgamento. Perplexo, o povo da terra passou a especular. Inventavam várias hipóteses para explicar o acontecimento.

Novamente o Pandulho, que tinha acesso ao processo deu a explicação: o Lili, Teodorico João Fernandes como fora baptizado, escrevera ao Ministério da Saúde, em Lisboa, reclamando do não fornecimento da penicilina à sua farmácia. E acrescentara: «os donos das outras farmácias da região estavam ganhando muito dinheiro vendendo o remédio para a Espanha». A reclamação foi tomada como denúncia e teria de provar tal afirmativa.

O uso da penicilina era rigorosamente controlado e sua comercialização não oficial era considerada crime contra a economia nacional. No fim da segunda guerra mundial os jornais anunciaram como grande descoberta, um medicamento que iria acabar com todas as doenças inflamatórias, a penicilina. O povo simples logo enfeitou a notícia a seu belo prazer.

Naquela pequena e humilde vila dos confins de Portugal, ou melhor, onde começa Portugal, a notícia da maravilhosa descoberta gerou várias versões. Seria a redenção da humanidade, curaria todas as doenças e até nem precisaria ser comprada nas farmácias. Os mais esclarecidos destrinçaram a notícia: num laboratório nos Estados Unidos, uma cultura de germens produziu um certo bolor que eliminava vírus, bactérias e micróbios. Elaborado foi comercializado com o nome de penicilina. Ora, naquela região desde sempre as famílias fabricavam o seu próprio pão. Em priscas eras, de centeio, depois, desde que o milho foi introduzido na Europa, deste cereal. Era o pão feito em grandes broas que duravam a semana inteira. Acontecia que quando não ficava bem cozinhado ao fim de dois ou três dias embolorava; apareciam fungos esverdeados. Quando estas manchas bolorentas tomavam todo o pão não dando para apenas raspar os pequenos pontos, era jogado aos animais, porcos e galinhas, até um dia, no advento da grande descoberta, que alguém divulgou que aquele mofo era penicilina. Ninguém mais jogou pão aos animais durante bastante tempo.

   Importada dos Estados Unidos da América era a penicilina restrita a poucos países inicialmente, e em Portugal chegava em pequena quantidade e seu uso estava sujeito a justificação requerida a organismo próprio. A Espanha que, durante a guerra, fora aliada da Alemanha, sofria bloqueio comercial das potências aliadas que haviam ganhado a guerra. E ainda sentia as consequências da sua guerra civil. Estava carenciada de tudo. O contrabando de Portugal para Espanha era a momentânea opulência da gente fronteiriça. Esta situação manteve-se os anos quarenta e cinquenta do século XX.

(continua)

 

A RIBEIRA QUE DEIXOU DE SELO

melgaçodomonteàribeira, 08.09.18

28 a2 trancoso galiza (8).JPG

rio trancoso

 

A RIBEIRA QUE DEIXOU DE SELO. A FRONTEIRA GALEGO-PORTUGUESA TRAS O GOLPE DE XULLO DE 1936

 

(…)

 

No primeiro dos casos, e decir, un fusilamento cun xuicio, ainda que sumarísimo e urxente, documentábase o condeado, e polo tanto, eram mais doado o recoñecemento e a deportación cara Portugal. Cando a morte producíase pola acción dos teóricamente incontrolados, esto non era posible. Recibíronse informacións de morte de traballadores portugueses da vía férrea Ourense-Zamora, ou mesmo a escoita de disparos pólos postos de vixiancia da raia que logo resultan ser fusilamentos de persoas desta nacionalidade afincadas en España.

Mais a colaboración máis estreita neste proceso de represión tivo lugar na zona de Castro Laboreiro. Dende o comenzo da guerra houbo un importante continxente de fuxidos que tras pasar a fronteira tentaron agacharse nas súas montañas, levando a cabo en ocasións actividades contra o réxime portugués e contra os destacamentos ‘nacionais’. Era evidente que o mantemento dun grupo paramilitar dentro de territorio portugués, nunha situación de conflicto bélico no país fronteirizo non era unha situación moi agradable para as autoridades do Estado Novo.

Ainda que esta circunstancia fora un producto directo da situación de inestabilidade civil en España, o Estado Novo tiña que poñer remédio dende a súa autoridade para o seu territorio. Dende finais de xullo de 1936 tiveran lugar numerosas incursións de españoles armados nesta zona. Un mes despóis, Tomás Fragoso, Gobernador Civil de Viana do Castelo, recordaba ó Ministro do Interior portugués estas accións, e recomendaba a conveniencia de reforzar ós postos da Guardia Nacional Republicana para evitalas. O seu fin era evitar casos semelhantes e poder manter o prestígio português e defender a integridade nacional.

Mais o problema na zona continuou prácticamente durante toda a guerra civil. As batidas na procura dos agachados foron compartidas entre falanxistas españois e militares portugueses, moi especialmente a PVDE. Un membro desta informaba de como se realizaban as detencións:

 Geralmente, na montanha, estes indivíduos respondem com a fuga, ou com tiros, a intimidação de ‘Alto! ‘. E então a perseguição faz-se a tiro…

 

Emilio Grandío Seoane

 

Retirado de:

 

HOMENAXES

FACULTADE DE XEOGRAFÍA E HISTORIA

Departamento de Historia Contemporânea e de América

Universidade de Santiago de Compostela

 

http://books.google.pt

 

QUANDO MELGAÇO TINHA GENTE

melgaçodomonteàribeira, 16.06.18

5x - comissão festas.jpg

 

UM LUGAR ONDE NADA ACONTECIA

 

Os moços da terra, rapazes e raparigas, viviam uma situação de expectativa. Consideravam monótona e sem graça a vida que lhes apresentavam. Bailes uma vez por outra, as festas em honra dos santos padroeiros, nas freguesias, e os desafios de futebol. Liam os jornais no café que lhes noticiavam as maravilhas do após guerra, o programa da ciência, e uma vez por semana absorviam avidamente o estilo de vida capitalista, regalada, que subjectivamente os musicais do cinema americano lhes enfiavam pelos olhos.

Os desafios de futebol durante certa época eram quem mais distraía a população e entretinha a juventude. Naqueles anos era acirrado o despique entre os três grupos que se haviam organizado, o Rápido, o Unido e o Comercial. Nunca houvera tanta rapaziada junta naquela localidade. A última geração fora obrigada a permanecer na terra. Desde sempre, naqueles lugares de natureza e paisagens luxuriantes mas paupérrimas em perspectivas de vida desafogada, a única alternativa para quem desejasse um futuro melhor era emigrar. Quem ficava, resignava-se u uma vida humilde, labutando na agricultura de subsistência ou no contrabando. Os ofícios tradicionais estavam super explorados não havendo clientes para tantos profissionais. A Espanha ali ao lado, antes da sua guerra civil e da guerra mundial, era país rico onde os portugueses da fronteira buscavam trabalho com a facilidade de estar em casa periodicamente. Outros países da Europa não ofereciam grandes condições naquele tempo; o sonho de quem desejava progredir era o Brasil. Ah! O Brasil, donde se voltava “brasileiro”, sinónimo de prosperidade, donde se voltava rico. Pouco acontecia, mesmo assim as fortunas que se conheciam e os palacetes que existiam foram ganhos no Brasil.

Nos anos quarenta ninguém saiu de Melgaço. A guerra provocara aquela situação: não deixou sair ninguém e não levou ninguém. Portugal não entrou naquela catástrofe e dela se beneficiou. Foi assim que aquela pequena terra ficou cheia de mocidade a ponto de organizar três clubes de futebol que disputavam e brigavam entre si. Montaram sedes com secção recreativa e onde se reuniam à noite. O campo do jogo é que era o mesmo inerente a todos, o Monte de Prado, distante da Vila e com difícil acesso, daí que durante a semana a rapaziada mais nova jogava bola na avenida ou na praça da República, para desespero do António Reis, zelador municipal, que tinha de correr atrás deles ou fazer vista grossa se algum parente seu ou filho de pessoa grada estava no meio.

O contrabando era a principal fonte de receita daquele pessoal. Região fronteiriça com a Galiza, separada pelo rio Minho desde que este entrava em Portugal na povoação de São Gregório, mais ao norte, pelo rio Trancoso e para oeste raia seca, era propícia ao comércio ilegal. A guarda-fiscal do lado português e a guarda civil do lado espanhol, eram as forças legais que deveriam zelar pelo cumprimento da lei, na prática mancomunavam-se com os contraventores auferindo sua parte nos lucros. Os governos dos dois países deviam tirar algum proveito desse estado de coisas. As potências beligerantes não aceitariam a exportação legal de determinados produtos que iriam beneficiar o inimigo. Pressupunha-se que tais mercadorias seriam encaminhadas para a Alemanha e tal desagradaria à Inglaterra e aos Estados Unidos da América.

Entre os anos de 1936 a 1939 a Espanha vivera o tormento da guerra civil. Carente de géneros alimentícios, recebia de Portugal, na forma de contrabando tudo que era possível receber. Melgaço, e outras zonas do Alto Minho, fronteiriças, eram paupérrimas. Não tinham produção que pudesse ser contrabandeada a não ser milho. Eram, entretanto, pontos de passagem e por ali, vindos de outros lugares, passavam camiões carregados de galinhas, ovos, chocolate, etc. Estourou a segunda guerra mundial em 1939, o governo nacionalista espanhol que vencera a sua guerra interna com o auxílio da Alemanha, viu-se obrigado a colaborar com aquela nação. Então o contrabando diversificou-se: o volfrâmio, mineral usado na manufactura de armamento era encontrado quase à flor do solo nas montanhas de Melgaço. Foi febril a extracção dessas pedras pretas. O sabão teve preponderância, tripa seca, pedras de isqueiro, café, cigarros e tudo o que servisse para material bélico, era repassado à Espanha. O pagamento era em prata, ouro ou pedras preciosas. O dinheiro em papel ou moedas nada valia. Vez por outra os guardas-fiscais não concordavam com as percentagens que lhes davam e apreendiam as mercadorias. Os pequenos contraventores eram os profissionais das várias profissões que, para engrossarem os seus proventos, de noite, levavam até à margem do rio uma caixa de barras de sabão ou outro elemento que pudesse ser transportado às costas. Eram estes os mais visados pelos agentes da lei que, por pouca mercadoria, nada recebiam.

A guerra no centro da Europa desenrolava-se feroz.

Os jornais noticiavam com destaque as batalhas navais onde o afundamento de navios ganhava as manchetes, quando a França se rendeu aos alemães e a sua marinha resolveu afundar toda a frota naval para não servir ao inimigo, repercutiu. No imaginário dos contrabandistas o termo “frota” passou a ser usado como sinónimo de contrabando. Quando os guardas-fiscais tomavam as mercadorias diziam que a frota afundara. Os contrabandistas passaram a ser conhecidos como “frotistas”.

 

(continua)