Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

AO F.A.I.J.

melgaçodomonteàribeira, 19.09.20

73 a2 - garrilha, faij (gú), carriço, antónio c

 1ª fila - garrilha, tónio carteiro, loca 2ª fila - gú (faij) e carriço atrás - alfredo alfaiate

 

In  Mente!

 

Tam cedo, Augusto Igrejas, nos deixaste

Neste mundo, mais órfãos e mais pobres…!!!

Nessa triste bagagem arrastaste

Tantos e tantos versos mais que nobres…!!!

 

Vê lá, meu caro amigo, se descobres

O teu santo caminho que encetaste!!!

E que essa terra fria que tu cobres

Seja mais quente e leve que pensaste!!!

 

Um ano que passou, e com saudade,

Todos, hoje, te querem recordar

Com alma e coração! Santa Verdade!!!

 

E contigo, nós, vamos logo estar!

E, vós, jovens?... Coragem e vontade!

Que o F.A.I.J. algo terá para vos dar…!

 

Uma Vida Entre Poesia

José Maria Rodrigues (José Serrano)

Câmara Municipal de Melgaço

2007

p. 99

(F. A. I. J. - Francisco Augusto Igrejas Júnior)

 

 

 

MELGAÇO, NATAL DE 1983

melgaçodomonteàribeira, 08.03.13

 

 

O PRESÉPIO AUTARCA DE MELGAÇO EM 1983 

 

  

A Câmara Municipal,

teve uma ideia feliz,

pois armou este Natal

um presépio colossal

nas trazeiras da Matriz.

 

Coisa assim, nunca se viu,

tão bonito e tão real,

pois com gosto reuniu

e assim distribuiu

figuras ao natural.

 

A Teresa é Nossa Senhora,

o Solheiro é S. José,

e quem nasce nessa hora

e entre as palhinhas chora,

Alberto de Sousa, o Bé.

 

A dar calor ao menino

com seu carinhoso alento

com amor e com carinho,

o Luís faz de boisinho

e o Tóninho de jumento.

 

O Jorge, o Moura e o Gi,

três Reis Magos, quem diria,

montados nos três camelos

da Junta de Freguesia.

 

Ventura, Carvalho e Zeca

são os pastores, pobrezinhos

que levam como carneiros

os do lixo e os cantoneiros,

e mais outros, coitadinhos.

 

O Presépio ainda tem

figuras evocativas,

mas a gente sabe bem

que são na Câmara também

apenas, decorativas…

 

Natal de 1983

 

FAIJ