Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MONARCHIA LUSYTANA

melgaçodomonteàribeira, 04.07.15

 Capela da quinta do Gasparinho, agora de Santo António

 

LIVRO XVIII. DA MONARCHIA LUSYTANA

CAP. LIX.

 

Dase noticia da familia de Abreu, & referese o que o Papa João XXII. obrou em favor d’elRey.

Partira ElRey da Villa de Leiria para Lisboa pelo mês de Abril 1317., e nesta Cidade gastou o restante do anno, não lhe faltando materias graves a que acudir. Por este tempo lhe inviàrão os moradores de Valadares seus Procuradores, & os da Villa de Melgaço sobre a composição que agora diremos. Os de Melgaço tinhão dado a ElRey 3oo. livras por anno por lhe encorporar a seu destricto Valadares; não sofrerão estes moradores viver alli unidos, & sogeitos, por haver em seu termo Fidalgos de grande conta determinàrão izentarse, & ficar julgado separado. Vivião em hum, & outro lugar fidalgos da familia de Abreu, os quais por honra do seu apellido, que o solar delles he a quinta de Abreu em termo da Villa de Monção visinha, a qual Vasco Gomes de Abreu deu por concerto a seu sobrinho Lopo Gomes de Abreu, na demanda que tivérão sobre a herança de Diogo Gomes de Abreu & sua mulher Leanor Viegas no anno de 1459. distratàrão com os de Melgaço, & viérão a acordo, que os de Valadares pagarião a ElRey as trezentas livras, & que a preço dellas ficàrião outra ves livres, & desanexados delles. Conformandose todos, & inviando de ambas as partes Procuradores à Corte, lhe confirmou ElRey o acordo no I. de Junho em Lisboa. Procuradores de Valadares vem nomeados Gomes Lourenço de Abreu, & João Afonso Taleygas Cavaleiros, alem de outros; & de Melgaço Lopo Gonçalves, & Nuno Gonçalves de Abreu irmãos Destes Fidalgos Abreus, faz lembrança o Conde D. Pedro no seu livro das geraçoens, & delles procedem os que hoje ha no Reyno, conservados com muita autoridade atè o prezente. No reinado d’elRey Dom Dinis tiverão grande lugar, & não menor no tempo dos Reys que lhe succedèrão, como a nossa Historia ira contando.

 

Monarchia Lusytana
pelo Doutor Fr. Francisco Brandam, Monge de Alcobaça, Esmoler de S. A. Chronista mor de Portugal, Qualificador do Santo Officio, & Examinador do Tribunal da Consciencia, & Ordens, Geral q foi da Religião de S. Bernardo.
Lisboa
Na officina de JOAM DA COSTA. Anno M. DC. LXXII.
Com todas as licenças necessarias.

 

Retirado de: http://books.google.pt

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.