Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MESTRE MORAIS

melgaçodomonteàribeira, 14.10.17

76 a2 m morais.jpg

 

 

MANUEL RODRIGUES DE MORAIS

 

Conhecido e admirado na nossa terra como «Mestre Morais», Manuel Rodrigues de Morais era um amante da música: aprendeu-a, cultivou-a, amou-a, e deixou discípulos e admiradores.

Nos grandes acontecimentos locais, fossem festivos, fossem lutuosos, estamos a ver a Banda dos Bombeiros Voluntários de Melgaço, a desfilar garbosa ou em passo cadenciado em marchas fúnebres com que se associava às lágrimas de familiares que choravam os seus, ou dos amigos que sentiam a perda de alguém que estimavam.

Era de porte austero e solene, e sabia ensinar os seus colaboradores musicais.

Mestre Morais deu glória à sua terra e levou o nome de Melgaço a terras longínquas de Portugal.

Manuel Rodrigues de Morais, filho de João Lúcio de Rodrigues de Morais e de Maria Basteiro, nasceu em Golães, Paderne, no ano de 1890.

Até aos 18 anos, frequentou a Casa Maria Pia, em Lisboa, onde aprendeu música e tirou o curso comercial e com essa idade ingressou, voluntário, no Exército, chegando, como músico, ao posto de sargento. Mais tarde foi para a Marinha de Guerra, sendo promovido a 1º sargento.

Quando a marinha homenageou Gago Coutinho e Sacadura Cabral, foi ao Brasil.

Em serviço, esteve, durante alguns anos, em Lourenço Marques e ainda na América do Norte.

Tirou o curso de violino no Conservatório de Música.

Reformou-se e regressou a Melgaço, tendo vivido até à morte no lugar de Bacelos, em Paderne.

Na terra natal, deu à mesma o concurso do seu talento e do seu amor bairrista: refundou, ensaiou, e regeu a Banda dos Bombeiros Voluntários, que tanta glória deu à nossa terra e muito concorreu para a formação musical de verdadeiros artistas.

O resto da vida passou-o na sua casa de Bacelos, onde faleceu a 3 de Maio de 1971, e donde assistiu desgostoso à morte da sua querida Banda, lamentando-se do abandono a que a Direcção dos Bombeiros a votara e, ainda, do desrespeito e da indisciplina de alguns músicos.

 

P.e Júlio Apresenta: Mário

P.e Júlio Vaz

Edição do Autor

1996

pp. 295-296

 

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.