Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

COROGRAFIA PORTUGUEZA - CASTRO LABOREIRO I

melgaçodomonteàribeira, 01.11.14

gk3m.jpg

 

COROGRAFIA PORTUGUEZA, E DESCRIPÇAM TOPOGRAFICA DO FAMOSO REYNO DE PORTUGAL

 

Da Villa de Castro Laboreyro,

 

Duas legoas & meia de Melgaço entre o Nascente, & meio dia está a Villa de Castro Laboreiro, a que vulgarmente chamam Castro. He terra montuosa, & frigidissima de neves, seus ordinários frutos saõ centeio, & pouco milho miudo, muitos gados de toda a casta, as mayores ovelhas Gallegas, & que daõ o melhor burel de todo o Portugal, & assim os melhores lacticínios produzidos dos ferteis pastos de hervagens, que aquelles montes tem no Veraõ, a caça de coelhos, lebres, perdize, javalìs, corças, & veaçaõ de lobos, raposas, martas, touroens, ginetas, & outros bichos he infinita, & em hum pequeno regato grande quantidade de trutas. Naõ tem outras arvores, senaõ poucos, & pequenos carvalhos, bastantes nabos, menos couves Gallegas, frias, & delgadas aguas. Tem os moradores grandes previlegios, ´q lhes concederaõ os nossos Reys em remuneraçaõ dos grandes serviços, que lhes fizeraõ nos tempos das guerras destes Reynos. Governase por Camara de dous Juizes ordinarios, que tambem servem nos Órfãos, dous Vereadores, & Procurador do Concelho, eleiçaõ triennal do povo, & pelouro, a ´q preside o Ouvidor de Barcellos, & dous Tabeliães, ´p servem em tudo. Tem em rocha viva hum inexpugnavel Castello que huns dizem ser obra dos Mouros; outros, que levantandose em Galliza hum Conde chamado Vitiza, Utiza, ou Guicia contra ElRey Dom Affonso o Magno terceiro em numero, mandou conquistallo por Hermenegildo, Conde das Cidades do Porto, & Tuy seu parente, & Mordomo, o qual o venceo, & lho trouxe prezo; pelo que ElRey lhe deu as terras do treydor, & entre ellas a Villa de Lima, aonde depois seu neto S. Rosendo fundou o Mosteiro de Cella-nova: & este monte Laboreiro, em que seu bisneto Dom Sancho Nunes de Barbosa, cunhado delRey Dom Affonso Henriques, fundou este Castello, que se assim foy, seria em opposiçaõ das guerras, que com o Reyno de Leaõ tivemos; mas pelos nomes de Castro, & Laboreiro, que derivados do Latim querem dizer, Castello trabalhoso, ou que esstá em terra trabalhosa, como esta o he para o trato humano, me parece ser do tempo dos Romanos; & que seja mais antiga que ElRey Dom Affonso Henriques naõ ha duvida, pois ele o conquistou com hun duro cerco, com se vé de huma doaçaõ do Couto de Paderne, que deixamos dito naquelle Mosteiro: por onde o atribuirse esta fabrica a ElRey Dom Diniz, seria mais reedificaçaõ, que edificio. Consta de huma Torre, que pouco antes que os paysanos o entregassem aos Gallegos, voou com o incendio, que hum rayo causou, dando no armazem da polvora, que sempre o Ceo ameaça as ultimas ruinas com sinaes antecedentes à nossa prevençaõ, & tem huma muralha tosca com duas portas, hua para o Poente, pela qual mal se póde ir a Cavallo, & outra para o Norte, por onde mal póde huma pessoa ir a pé; vinte homens bastaõ para o defenderem de grandes exercitos, mas he quasi incapaz de habitarse. Tiro de arcabuz para o Norte está a Villa em sitio plano, que terá sessenta visinhos, da qual he senhor o Duque de Bragança, que dá os officios; tem o Termo huma Freguesia, que he a seguinte.

 

 Santa Maria de Castro,

fermosa Igreja, foi Vigairaria annexa à Matriz de Ponte de Lima, passou a Abbadia dos Bispos de Tuy, quando o eraõ tambem destas terras, trocou-as por outras o Bispo Dom Joaõ Fernandes de Sotomayor com ElRey Dom Diniz no anno de 1308. & hoje he Commenda da Ordem de Christo, & Reitoria com quarenta mil reis, ao todo cento & vinte mil reis, & ordenado para Coadjutor, & para a Commenda duzentos & cincoenta mil reis, tudo data dos Duques: tem duzentos & vinte visinhos, de que se fórma huma Companhia muy alentada. Entre mais Ermidas que tem, há huma de Nossa Senhora de Anamaõ, Imagem milagrosa, que está em hum valle junto da raya, metida em huns grandes penhascos, onde foy achada no buraco, ´qa natureza obrou em hum monstruoso penedo; dizem a trouxeraõ por vezes há Igreja, mas que outras tantas se tornou, causa de alli lhe fazerem Ermida. Na chaã taõ dilatada, que terá cinco, ou seis legoas de circunferencia, nasce o pequeno rio, em que se criaõ as trutas, no qual há huma pequena ponte que chamaõ Pedrinha, fabrica de Mouros. Quando himos do Porto dos Asnos, ou Cavalleiros, passamos outro limitado ribeiro, pelo qual foy a pé o Santo Arcebispo Dom Frey Bertholameu dos Martyres a visitar aquella Igreja; tem virtude esta agua para curar a boca lixosa às crianças, & outras enfermidades: então disse que tarde tornaria alli outro Arcebispo; assim foy; porque suposto o intentou Dom Sebastiaõ de Matos & Noronha, naõ o conseguio, & só em nossos tempos o fez o Eminentíssimo Cardeal Dom Verissimo de Lancastro, nosso Inquisidor Real, quando era Arcebispo de Braga. Para prova da frieldade da terra baste, que o vinho se congela no Inverno de modo, que para a Missa he necessario aquetallo, do ´q se tivera noticia naõ se admirára o Aragonés Vitrian nas notas a Felippe de Comines, tom. I. capit. 42. de o cortarem com escoupro, & martello junto a Lieja no exercito de Carlos o Bravo Duque de Borgonha no anno de 1468. porque como Aragaõ he terra quente, parecialhe que todo o mundo assim devia ser.

 

  1. Antonio Carvalho da Costa

Na officina de VALENTIM DA COSTA DESLANDES

Impressor de Sua Magestade, & à sua custa impresso.

Com todas as licenças necessarias. Anno M. DCC. VI.

 

Retirado de: http://books.google.pt

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.