Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

AUTO DA LADINA III

17.01.15, melgaçodomonteàribeira

Forno comunitário

 

 

(Enteado – prosseguindo)

 

                                        Não me enganas, assassina,

                                        vais pagá-las de uma vez;

                                        anda cá, alma malina,

                                        seu monstro de malvadez!

 

 

(Narrador – com um sorriso de satisfação)

 

                                        E seu gargalo apertou,

                                        com fúria de tresloucado;

                                        seus dentes de cão ferrou,

                                        naquele corpo danado!

 

(Ladina – enraivecida)

                                      

                                        Larga-me, filho de cão.

                                        Entrega-me à autoridade.

 

(Narrador – aparentando tristeza)

 

                                        E rota, ferida, no chão,

                                        metia dó à piedade!

 

( algum tempo depois…)

 

                                        Eis a nobre autoridade,

                                        imponente e barrigana!

 

(1º guarda – com cara de mau)

 

                                        Anda, vamos para a cidade,

                                        pincha para a carripana.

 

(Ladina – com olhar choroso)

 

                                        S’or guarda, não me prenda,

                                        o meu homem não matei;

                                        eu juro por Santa Alzenda,

                                        eu respeito muito a lei!

 

(Narrador – conivente)

 

                                        O guarda não quis ouvir,

                                        e para a prisão a levou.

                                        Pelo caminho, ela pensou:

                                        «Não o poderei sacudir?»

 

                                        Melhor o fez do que o pensou,

                                        pois ao incauto guarda seduz!

 

(Ladina – primeiro, tira-lhe o barrete; depois, entrega-lho)

 

                                        Sr. Guarda, o seu capuz

                                        que da cabeça voou!

 

(1º guarda – mostrando compaixão)

 

                                        Obrigado, minha santa,

                                        tudo isto me entristece;

                                        quanta pena tenho, quanta!

                                        Libertar-te… me apetece.

 

(Neste momento a Ladina abraça o guarda; o narrador, cúmplice, pisca um olho à plateia e diz:)

 

                                        E ela, já confiante,

                                        seu corpo gordo rodeia;

                                        sorridente, triunfante,

                                        seu bruto olhar incendeia.

 

                                        O guarda não pode mais

                                        e a bota mete ao travão.

 

(1º guarda – abraçando fortemente a fêmea)

 

                                        Mulher dos meus ideais,

                                        mulher do meu coração!

 

(Narrador – tentando imitar a cena)

 

                                        E ali, na carripana,

                                        possuir quer, a amada;

                                        porém, a hábil cigana,

                                        lança-lhe a sua jogada!

 

(Ladina – desprendendo-se bruscamente)

 

                                        O meu corpo será teu,

                                        a liberdade será minha;

                                        não sejas porco sandeu,

                                        na minha proposta alinha.

 

 

(Narrador – sentencioso)

 

                                        O guarda, desesperado,

                                        não sabe como reagir:

                                        quer o corpo desejado,

                                        mas a lei não quer trair!

 

                                        É tão grande a tentação,

                                        que a lei ao diabo manda;

                                        reage com a paixão…

                                        é o coração quem comanda!

 

(O guarda atira-se à mulher. Ouve-se a respiração dos dois. Mais tarde, o narrador prossegue):

 

                                        Satisfeito, o seu desejo,

                                        diz à pressa, com um ganido:

 

(1º guarda – segurando ainda as calças)

 

                                        Pensas tu que tenho pejo

                                        Em romper c’o prometido?

 

(Narrador – apontando para o que se está a passar)

 

                                        Mas a ladina, prevenida,

                                        dá-lhe um tal safanão,

                                        que o deita logo ao chão

                                        e foge – quase despida!

 

(Aqui, actuar de acordo com a cena)

 

                                        O guarda corre, aflito,

                                        à procura da pistola.

 

(1º guarda – muito atrapalhado)

 

                                        Aonde está? (já estou frito),

                                        aonde está… a mariola?!

 

(Narrador – com os braços cruzados)

 

                                        Nesta grande confusão,

                                        não encontra mais o norte;

                                        cabelo em desalinho, calças na mão,

                                        já diz mal da sua sorte.

 

                                        Para o quartel, triste, volta,

                                        jurando, um dia, se vingar;

                                        é tão grande , a sua revolta,

                                        que junto da imagem vai rezar.

 

                                        «Por minha mãe santa, juro,

                                        que não mais vou descansar,

                                        enquanto não apanhar,

                                        esse asqueroso monturo».

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.