Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

AUTO DA LADINA II

10.01.15, melgaçodomonteàribeira

Em Pomares

 

AUTO DA LADINA

 

 

(Narrador – com entrada triunfal)

 

 

                                        Vou-vos contar uma história

                                        que acho muito engraçada:

                                        a de uma mulher sem glória,

                                        a de uma pobre coitada!

 

                                        Passou-se tudo em Melgaço,

                                        concelho do Alto Minho;

                                        fonte do rico bagaço,

                                        alforge do verde vinho.

 

                                        Foi nos anos de quarenta,

                                        era do grão Jesus Cristo;

                                        mas se o fora em noventa

                                        não alterava nada isto!

 

                                        Chamavam-lhe a Ladina,

                                        vivia lá p’ras montanhas;

                                        aonde sua alma malina

                                        forjava coisas estranhas.

 

                                        Casou com um velho rico

                                        para ganhar gorda tença;

                                        - coitado do Angelico:

                                        assinou sua sentença!

 

                                        Compra veneno pró labrego,

                                        e no comer lho vai pondo;

                                        e seu plano dispondo…

                                        como hábil estratego!

 

                                        Mas p’ra sua fortuna herdar

                                        precisam de ter herdeiro;

                                        assim, lesta, vai comprar

                                        a filhita do moleiro!

 

                                        Esse pobre desgraçado,

                                        homem de pouca ciência,

                                        vendeu a alma ao diabo,

                                        sem disso ter consciência.

 

                                        Conceiçãozita lhe vende,

                                        em troca de mau dinheiro;

                                        mas, antes, dizer entende:

 

(Moleiro – com um olhar feroz)

 

                                        Ouve: não conheces o moleiro!

 

(Ladina – convincente)

 

                                        Podes ficar descansado.

                                        Já não sou uma menina!

                                        Eu só conheço o diabo,

                                        ou não me chame Ladina.

 

(Narrador – movendo-se com agilidade)

 

                                        Foi para casa apressada,

                                        e a dose do veneno dobrou;

                                        e quase sem dar por nada,

                                        no inferno o velho entrou!

 

                                        No dia seguinte ao da morte,

                                        aos quatro ventos gritou,

                                        que era mulher de sorte,

                                        que grande fortuna herdou!

 

                                        E apresentou a criança

                                        ao enteado int’resseiro.

 

(Enteado – triste e ridículo)

 

                                        Lá se vai a minha herança,

                                        sou apenas meio herdeiro!

 

 

(Narrador – olhando os espectadores nos olhos)

 

                                        Mas um vizinho matreiro

                                        que a felina espreitou,

                                        disse:

 

(Vizinho – apontando para a criança)

 

                                        - a criança é do moleiro,

                                        com dinheiro ela a comprou!

 

(Narrador – sempre virado para o público)

 

                                        O enteado ouvindo isto,

                                        enfurecido – gritou:

 

(Enteado – com os olhos fora das órbitas)

 

                                        Por nosso Jesus Cristo,

                                        se à justiça não vou!

 

(Narrador – com um salto malandreco)

 

                                        A Ladina, descoberta,

                                        tentou criar confusão;

                                        e logo – com voz incerta,

                                        falou-lhe ao coração:

 

(Ladina – toda ternura)

 

                                        Meu filho, não acredites

                                        no que esse homem te diz;

                                        só te peço que medites:

                                        quem mais a teu padre quis?

 

                                        Eu fui uma boa esposa,

                                        e serei uma boa mãe;

                                        achas que sou aleivosa?

                                        Mataria eu… teu pai?

 

(Enteado – com ar desconfiado)

 

                                        Não o sei, por Satanás!

                                        Quem te fez essa criança?

                                        O meu pai era incapaz…

                                        só a tinha p’ra mijança!

 

( depois... -  apontando)

 

                                        Naquele caixão de riga,

                                        está um homem sem voz;

                                        não te encheu essa barriga,

                                        nem podia com uma noz!

 

                                        Como é possível ter filhos,

                                        sem ‘star nove meses prenha?

                                        Não sei por que subtis trilhos

                                        levas água à tua azenha!

 

                                        Enganaste bem meu pai,

                                        não me enganarás a mim.

 

(Ladina – desesperada)

 

                                        Ai, ó meu povo – ai, ai,

                                        livrai-me do Benjamim!