Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

A GAFARIA DE MELGAÇO

melgaçodomonteàribeira, 06.04.13

 

Capela de S. Julião - Melgaço

 

OS GAFOS

 

 

   Secundando o parecer de alguns etnógrafos limaranenses, o distintivo que ornamenta esta singularidade agiológica, isto é, o chocalho, só pode relacionar-se com a presença de leprosos na serra. Deviam ter-se refugiado aqui bastantes, quando, na Idade Média, se procurou extinguir violentamente a endemia leprosa que grassava por toda a Europa. Da sua larga existência no Alto-Minho, há notícia verídica e vestígios evidentes, comprovados pelas três leprosarias que nesta província funcionaram: uma em Viana do Castelo, outra em Ponte de Lima e a terceira em Melgaço. Logo que a endemia declinou, os lazaretos fecharam, mas os gafos persistiram, escondidos ou foragidos.

 

   A Gafaria de Melgaço, que se comprova ter existido anteriormente a 1531, conhecida por Hospital de S. Gião e erecta sob a invocação deste santo, constava duma pequena casa com igreja anexa, onde não podiam ser internados mais do que uns 3 ou 4 leprosos. É o que consta da doação de rendas deste hospital à confraria da Misericórdia. Restam vestígios da sua existência na actual capela de S. Julião (a antiga casa dos gafos) na frente da qual colocaram o formoso cruzeiro do mesmo nome (monumento nacional).

 

 

Retirado de:

O Santo do Chocalho            

por: Dr. José Crespo

 

http://gib.cm-viana-castelo.pt/documentos/20080515141915.pdf

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.