Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

ACHEGA À HISTÓRIA DE PADERNE

08.03.13, melgaçodomonteàribeira

 

 

ESTELA SEPULCRAL ARCAICA DO ALTO-MINHO

 

    Junto da Igreja de Paderne, aldeia do concelho de Melgaço, existia há annos uma notavel pedra lusitano-romana, com uma inscripção e figuras esculturadas, a qual fazia parte do lagedo granitico do adro, e estava pois sendo constantemente profanada e maltratada por quem lhe passava em cima. Por diligencias do meu amigo o Dr. Antonio José de Pinho Júnior, advogado em Monção, e moço illustrado a quem os estudos de archeologia e ethnografia locaes merecem particulares estima, a pedra occupa hoje logar de honra no Museu Ethnologico Português: SECÇÃO LAPIDAR – MINHO.

    Tem de altura 1m,61; de espessura 0m,16; de largura 0m,50. É pois uma estela. Com quanto lhe falte já a extremidade superior, póde esta lapide considerar-se dividida na superfície anterior em quatro segmentos.

    O segmento superior, que, como digo, está incompleto, parece que representa um busto acephalo; duas mãos sustentam adiante do peito, em alto relevo, um objecto indeterminavel, mas muito provavelmente vaso.

    O segundo segmento é constituído por um nicho, encurvado em cima. Nelle se vêem, em baixo-relevo, duas toscas figuras, com feições desiguaes, de pé, sem nada na cabeça, – uma, a da direita, apparentemente do sexo masculino, vestida de roupagem mais curta (simples tunica); a outra, a da esquerda, apparentemente do sexo feminino, vestida de roupagem que chega até quasi aos pés (tunica muliebris); cada uma das figuras tem na mão direita um objecto indecifravel e dá a esquerda á outra figura.

    O terceiro segmento, separado do antecedente por um bordo, contém uma inscripção, que foi gravada no campo depois de um pouco rebaixado, como o terceiro.

    O resto do quarto segmento era destinado a fixar o monumento no solo.

    Os lados da estela são irregulares, e estão em parte quebrados; pelas costas a lapide foi levemente desbastada. A extremidade inferior acha-se tambem falha.

    A tribu romanizada a que pertencia o monumento era, com muita probabilidade, aquella que tinha o seu oppidum num monte que fica a dois passos da igreja parochial de Paderne, e que ainda hoje se chama A Cividade, do latim civitatem; ahi encontrei uma casa redonda, do typo já conhecido noutros castros de Entre-Douro-e-Minho, e varios objectos de pedra (esculpturas) e restos ceramicos, tudo de origem pre-romana. O nome d’esta tribu começava acaso pela enygmatica syllaba Comp – que se le tres vezes na inscripção.

 

Retirado de: O ARCHEOLOGO PORTUGUÊS

 

                     pp. 275-281

 

                     por:

 

                     J. Leite de Vasconcelos

 

http://www.archive.org

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.