Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

HISTÓRIA, CULTURA E PATRIMÓNIO III

08.03.13, melgaçodomonteàribeira

 

 

Francisco Augusto Igrejas, filho de Francisco Augusto Igrejas e de Deolinda A. Fernandes, nascido a 30 de Abril de 1916, na Vila de Melgaço.

Após o exame do 2° grau, aos 12 anos, exerceu a profissão de alfaiate, como seu pai, até aos 23 anos, data em que casou com Dinora Rodrigues Nabeiro, a 10 de Abril de 1939.

Foi empossado no Cartório da Santa Casa da Misericórdia de Melgaço no dia 1 de Julho de 1940, cargo que exerceu durante 42 anos.

Em 6 de Novembro de 1959, depois do exame feito na Escola de Enfermagem do Hospital de S. João – Porto –, diplomou-se como Auxiliar de Enfermagem nunca exercendo, porém, essa profissão oficialmente.

Depois do « 25 de Abril », e logo que foram oficializados os hospitais concelhios, passou a fazer parte do quadro dos funcionários do Centro de Saúde de Melgaço com a categoria de 2° oficial.

Influenciado pelas Gazetilhas que o saudoso professor Ribeiro da Silva publicava no semanário « Notícias de Melgaço », sob as suas indicações e seus ensinamentos, lançou, no referido semanário (mas só depois do seu afastamento da nossa terra e com a sua permissão pois era ele o director do referido jornal) as gazetilhas assinadas F.A.I.J, algumas das quais o meteram em sérios apertos. Felizmente tudo passou, tudo esqueceu, e ainda bem !...

Como outro « hobi » não tem, vai fazendo quadras com versos de pé quebrado, pois que para mais não tem « bagagem ».

 

O autor

 

POESIA POPULAR

 

Autor : Francisco Augusto Igrejas

 

Capa : Manuel Igrejas

 

Edição : Cadernos da Câmara Municipal de Melgaço n° 6

 

CÂMARA MUNICIPAL DE MELGAÇO 1989