Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

REAL CONTO DE NATAL

08.03.13, melgaçodomonteàribeira

 

Antiga "Pensão 27" (1° prédio) na rua Velha - Melgaço

 

 

   Melgaço, 24 de Dezembro de 1973, 22.30 horas.

 

   A vila de Melgaço nunca perecia tanto como naquela noite : os comércios fechavam mais cedo e os cafés trancavam as portas às 8 da noite, o mais tardar. Os habitantes da Vila tornavam-se imperceptíveis até ao dia seguinte.

   O céu estrelado e a temperatura bastante agradável para a estação tinham favorecido a formação de um ligeiro nevoeiro.

   Havia uma dezena de minutos que eu me fora juntar ao Chancas ao cunhal do Hilário (que era um espaço defesa), o ponto de encontro nocturno da juventude melgacense do meu tempo. Eu, ele e o Manel Mareco tínhamos marcado encontro ali, depois de cearmos. Havia muito que nos desabituáramos de ir para a cama antes da meia-noite.

   Para os nossos pais, e consequentemente para nós, o Natal era um dia ordinário ao qual não atribuíamos o carácter festivo que a generalidade, abusivamente, lhe prestava. Os móbeis eram múltiplos e intrínsecos às nossas famílias.

   Apareceu o Manel e, entre cigarradas, continuámos a falar de tudo e de nada. De repente, ouvimos dizer :

   — Com que então também vos aborrecíeis na casa ?

   Era o Júlio, que vinha de Eiró, onde a mãe vivia. Como nós, e, em parte, por motivos análogos, não acordava qualquer importância àquela festividade. Encostou-se.

   Retomámos a nossa conversa estéril serenamente. E ali permanecemos uma trintena de minutos até que o Júlio perguntou :

   — Hoje não há nenhum café aberto, pois não ?

   — Acho que não – respondeu o Manel.

   — Está aberto o « 27 » – afirmou o Chancas.

   — Tens a certeza ? – duvidámos.

   — Ai, eu não sei ? Ando com um pito de Monção que trabalha ali, caraças !

   — Então vamos para lá ! Sempre se está melhor a beber uns copos, não ? – propôs o Júlio.

   Concordámos com ele e dirigimo-nos para o « 27 ».

   Não havia ninguém. Abancámos ao balcão, à entrada. Foi o pito de que o Chancas falara, a Armanda, que nos atendeu. Pedimos uma caneca de tinto e tigelas. Realmente estava-se bastante melhor do que no cunhal do Hilário. À medida que os minutos passavam, mais apreciávamos o tinto e mais nos agradava conversar.

   Pouco faltava para que o badalo do sino da Matriz martelasse as doze pancadas nocturnas quando entrou na pensão um homenzinho que mais parecia um duende. O aspecto simplório contrastava com a cortesia e a afabilidade de que deu prova ao cumprimentar-nos e ao dirigir-se à moça: desejava telefonar para os Arcos de Valdevez. A rapariga pôs o contador a zero e indicou-lhe o telefone ao fundo do balcão.

   Indiferentes, ouvimo-lo falar a uma mulher e a uns rapazes um tempo indeterminado. A família, certamente. Quando acabou, e a jovem, depois de verificar o contador, lhe disse quanto devia, o homenzinho quase gritou :

   — Cento e setenta escudos, minha menina ? Ai, meu Deus, é quase tanto como o que eu ganho no mês ! Nunca pensei que fosse tão caro !

   Virámos o olhar para o homem. A sua saudação tinha despertado o nosso respeito, mas esta jeremiada deixava-nos desconcertados. Silêncio. Continuou a lastimar-se ininteligivelmente. Então o Júlio disse-lhe gentilmente:

   — Venha cá, amigo. Você o que faz ?

   — Sou caseiro da Dona ****** , no Louridal – respondeu, meio confuso.

   — E quanto lhe paga ?

   — Ó meu rico sinhor nim chega a trezentos escudos !

   — Tem família ?

   — Tenho, sim sinhor, uma mulher e quatro filhos nos Arcos qu’ a Dona ***** não quer qu’ os traga.

   Novo silêncio.

   — Quem paga o telefonema sou eu – disse por fim o Júlio, dirigindo-se à empregada – Traga uma tigelinha para o nosso amigo – e deu-lhe duas palmadinhas amistosas nas costas – que vai beber uma pinguinha connosco.

   O Júlio, sentado, era tão grande como ele.

   Transtornado, incapaz de pronunciar uma palavra, o homenzinho tirou um lenço amarrotado do bolso e limpou os olhos.

 

António El Cambório – 2011.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.