Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

TERMAS E NASCENTES

08.03.13, melgaçodomonteàribeira

 

 

    Identificação – Pinheiral da Rocha

 

   À entrada de Cristoval tomar à esquerda o caminho Canais, a estrada termina em Caneiros, propriedade na margem esquerda do rio Trancoso.

   Indicações – Digestiva e muito leve (ausência de cálcio).

   É semelhante à água do Peso em Melgaço, tem o mesmo sabor, já foi engarrafada.

   A água brota de um maciço rochoso ao qual se anexou uma pequena oficina de engarrafamento.

   Uso particular – encontra-se na propriedade do João Evangelista Pires, morador em Cristoval.

   Analisada por C. Lepierre, esta água teve grande fama e foi mesmo engarrafada e comercializada.

   Bibliografia – Almeida 1988

   “Depois desta recolha tentei saber um pouco mais sobre estas águas, já que se falava em engarrafamento, o que  para mim (só faço a recolha dos textos publicados) significava avultado investimento, ou de outra forma de dizer, ter capitais. Que o João E. Pires tinha cabedal para isso, não sei.”

   Outra fonte fiável de S. Gregório torceu o nariz quando falei no assunto; não via aquela pessoa a investir em água quando havia outras coisas mais rentosas.

   Cheguei a Melgaço e com ela já fisgada, fui falar com o Francisco Pereira. O Francisco ouviu e como eu não abri logo o jogo fechou-se em copas. Insisti…

   Insisti no assunto até que falamos de água e quem era dono da água.

 

   O local onde corria e foi engarrafada a água pertencia ao Sn.r José Pereira e agora a herdeiros; nunca foi pertença de João E. Pires.

   Zé Pereira, nome grande da praça comercial de Melgaço, junto dum Mareco, dum Emiliano Igrejas, dum Manuel da Garagem e outros que durante anos foram o sustento de muitas famílias no concelho.

   Aproveito para dizer que ainda hoje lembro o Sn.r Zé Pereira, o Sn.r Claudino e o Francisco Pereira que enchia cartuxos de café quando estava de castigo.”

 

   Identificação – Pesqueira Longa (Paços)

 

   Saindo da povoação em direcção ao rio Minho, na margem deste entre arbustos encontra-se a nascente. (Almeida 1988)

   Indicações - Digestivas e diuréticas.

   Pesqueira Longa, termo de Melgaço fonte medicinal citada por Reis (1779). Acciaiuoli (1944) repete o texto do autor anterior. Almeida (1988) além de nos dar a sua localização acrescenta: “… tão perto das margens que as cheias do rio facilmente a cobrem, encontra-se a nascente que o povo denomina de água férrea. É grata ao paladar e muita gente a procura por lhe encontrar propriedades digestivas e diuréticas.”

   Bibliografia – Acciaiuoli 1944, Almeida 1988, Reis 1779

 

   Identificação – Caldas de Paderne

 

   Perto do Convento de Paderne, dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho (Aquilegio, 1726).

   Estas caldas segundo o Aquilegio, tiveram grande concorrência, mas já à época da redacção desta obra se achavam “cobertas de terra”.

   Bibliografia – Acciaiuoli 1944, Almeida 1988, Henriques 1726

 

Texto retirado de www.aguas.ics.ul.pt com anexos de Camborio Refugiado