Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

LADINA VI

05.03.13, melgaçodomonteàribeira

 

 

Presa, foi logo julgada.

Para o ex-candidato a esposo, durante as audiências, interrogatórios ou reconstituições verbais do crime, nem olhar, nem desprezo. Tenho a certeza que se o olhasse vomitava. Afinal fora ele e outros como ele que a tinham atirado para aquele caminho. A exploração braçal no campo, de sol a sol, e senhorial durante a noite.

Foram sempre, senhor e dono.

Se fossem rapazes novos, belos, viris, com a vida estampada no rosto, ainda vá que não vá, para isso nascemos, mas velhos tinhosos, patrões de escravos, que contavam as notas antes de deitar, isso não.

Tentara … falhara …, voltara a tentar e a falhar e outra vez e outra ainda e vezes sem conta. No campo, na aldeia, na vila, na cidade, ela tentara e ela perdera. Ela mesmo despoletara as armadilhas que pusera no trilho da sua vida.

Tinha pena da defunta, mas ela não sabia secar erva, sachar milho, fazer vindima. Aquelas mãos tão perfeitas nunca tinham amassado pão. Muito menos o pão que o diabo amassou. Se calhar já tinham tocado piano, e…

O martelo abateu-se sobre a mesa, e dedo em riste, saído por entre aqueles panos negros, riso escárnio na boca sem lábios, a serpente sibilou:

— Culpada.

Ela sabia, finalmente chegara ao fim. Apostara tudo e tudo perdera.

— E por não mostrar arrependimento de tão horroroso crime, vai cumprir, vinte e um anos e oito meses de prisão maior.

Não ouvia o bichanar no tribunal, quando caiu sobre ela a sentença final. Foi de imediato transferida para a Penitenciária de Lisboa, por questões de segurança. Era o fim.

Sofreu o enxovalho da prisão, triste e sozinha. Envelheceu, como que mirrou e ao fim de todos aqueles anos, regressou à sua aldeia.

Onde nunca fora feliz, mas podia respirar o sol da liberdade e sentir o amor dos pássaros que debicavam as cerejas amarelinhas com nódoas de encarnado…

 

Camborio Refugiado

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.