Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

O LINHO NOS CANTARES DE MELGAÇO

melgaçodomonteàribeira, 22.06.13

 

 Festa da Cultura - Melgaço

 

O LINHO NOS CANTARES E NA ETNOGRAFIA REGIONAL

 

Por: Guilherme Felgueiras

 

 

Tenho uma roca de pau de figueira,

Diz minha mãe qu’eu sou fiadeira.

Diz meu pai: - «Casar, casar!»

Diz minha mãe que não hai que le dar.

 

Diz meu pai: «um carneirinho.»

Diz minha mãe que está bravinho.

Diz meu pai: «Amansaremo-lo».

Diz minha mãe: «Assim le faremos!»

 

VARIANTE:

 

- Tenho uma roca de pau de figueira;

Diz minha mãe que não sou fiandeira;

Diz meu pai: «Casar, casar!»

Diz minha mãe que não tem que me dar.

Diz meu pai, que me dá uma cabra,

Diz minha mãe, qu’ela que é brava.

Diz meu pai que a amansaremos;

Toca, gaiteiro, que nós dançaremos!

 

 

Nossa Senhora m’ajude,

Ela me queira ajudar,

A espiar a minha roca

E a torná-l’a a carregar.

 

Retirado de:

 

http://gib.cm-viana-castelo.pt/documentos/20080807142933.pdf

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.