Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

MELGAÇO, DO MONTE À RIBEIRA

História e narrativas duma terra raiana

TEATRO DE REVISTA EM MELGAÇO

18.06.13, melgaçodomonteàribeira

 

 

OS MODESTOS

 

 

    No palco do Cine Pelicano, para o qual o pincel do melgacense João Barbeitos Lourenço com facilidade e felicidade pintou três cenas, estrearam-se Os Modestos conforme estava anunciado, levando à cena uma espectaculosa revista local e um pequeno quadro emocionante. Apresentou-os ao público o Sr. Padre Manuel Lourenço, digno abade de Fiães, que encontrou e em poucas e compreensivas palavras soube concentrar e transmitir a beleza do espectáculo. É para nós gratíssimo aplaudir a transfiguração dessas raparigas do campo e desses artistas de artesanato local, que no palco souberam pisar e dizer como não pisa nem diz muita gente de mais teres e instrução. Gratíssimo é também recolher dentro das quatro paredes em que se confina hoje minha vida, o eco agradável dos aplausos tributados por toda uma povoação ao velho amigo Vasco da Gama Almeida, que num ramo difícil do teatro como é a revista, soube frizar críticas oportunas sem ferir susceptibilidades de ninguém e do seu coração conseguiu arrancar pedaços, que por vezes foram vistos nas tábuas do palco a viver momentos de grande intensidade dramática.

    Com estes ecos se juntaram uns outros, de louvor também, às senhoras D. Maria Teresa Alves Carabel, Maria Amélia Esteves Reis e Armanda Rodrigues que, muito embora as deixemos entrincheiradas atrás da sua modéstia louvável, foram pelo seu gesto e esforçada cooperação quem assegurou pelo sentido da vista dos espectadores o êxito de esta tão louvável iniciativa. Embora todo o corpo cénico desempenhasse airosamente os seus papéis e portanto cada figura da companhia concorresse com a sua quota parte para grande êxito dessas duas noites de glória, mandava a justiça destacar neste momento o trabalho dos actores e actrizes mais salientes, mas como estamos em Melgaço e eu não pertenço ao elenco, dispenso-me de representar agora o papel da Discórdia nas bodas de Tétis e Pelén lançando para o palco outra maçã de oiro o letreiro – Para o melhor actor. E como a música do Prof. A. Costa, outro melgacense, agradou e caiu no ouvido, recebam toda a companhia e seus empresários parabéns com muitos obrigados pelo bilhete oferecido.

 

Publicado em Notícias de Melgaço de 25/10/1959

 

Obras Completas: Augusto César Esteves

Nas páginas do Notícias de Melgaço

Volume I Tomo I

Edição Câmara Municipal de Melgaço

2003

pp. 106-107