Quarta-feira, 19 de Agosto de 2015

A QUINTA DAS VIRTUDES

 

(…) Umbelina, só ela própria se lembraria de haver sido derrubada, entre o milho, numa tarde de Agosto de pó no ar, à margem de um regato das Taipas, donde era oriunda, mesmo à beirinha daquelas fundas tinas, pétreas e quase tumulares, que pertenciam às termas vetustas, que os patrícios romanos tinham abandonado. E alistar-se-ia o moço que a desonrara num regimento de Braga, relapso à promessa de casamento que, frente ao sacrário, solenemente assumira, e garantia-se, pouco depois, que era visto transviado, jogando a vermelhinha e puxando de facas, emborcando sucessivas malgas de um verde tinto que, pelas caídas comissuras, lhe escorria. Passou Umbelina a procurar alguma tarefa de jornal, propositadamente se situando à mercê de humilhações, mas ocorreu que o gosto de cozinhar a encaminharia para uma festeira estalagem da Falperra e, daí, para certa residência de burgueses de Guimarães, até desembocar nas Virtudes, afinal, defronte daquela lareira de espetos e de potes, onde já com ela e seus dramas topámos. Faltaria debitar a crónica do galante Raposo, lacaio que por inteiro ignorava, se quisermos ser verídicos, a bênção de beleza que, sobre ele, lá do alto, descera e ficara. Esperto e lépido, isso sim, possuía o rapaz consciência de o ser, e não se revelaria de mais aventurar que entretecia uma estratégia demorada de ascensão, a culminar em loja de batentes abertos, casamento com filha de capataz, pequenos entretenimentos negociais de contrabando de influências. Recordava-se dos pedregais de Castro Laboreiro, donde era oriundo, e que se não distinguiam das próprias habitações, como de um continente outro, sem candelabros, nem colchões de lã, onde se tornava áspero bastante, se bem que energético, trabalhar e conviver. E a nostalgia maior que, de muito a muito longe, o deixava deitado, sem dormir, de pestanas subidas, era daqueles rumorejantes e saltadores riachos que lhe sobrevinha, onde se especializara, para gáudio e animação da rapaziada menor, na apanha, à mão e num relâmpago, das trutas transitórias que, sob o círculo das águas, fulgiam e estrebuchavam. Em esparsas noites de Verão, em que as veias lhe pediam a violenta aragem serrana, com esse cheiro de giesta e de arruda, descia Raposo à porta da rua, acomodava-se num canto, pelo meio dos mendigos e dos almocreves, mascando uma pouca de tabaco-em-folha, ou lambuzando um qualquer pau de canela, até que o tomava o sono e, entontecido pelo pesadume, se deixava vencer.

 

A QUINTA DAS VIRTUDES

Mário Cláudio

Publicações Dom Quixote

4ª Edição

2009

pp. 95, 96

 


publicado por melgaçodomonteàribeira às 11:01
link do post | comentar | favorito (1)
 O que é? |

.mais sobre mim

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. EL REY DOM MANOEL E OS CR...

. TRAGÉDIA A CAMINHO DE FRA...

. PONTES ROMANAS E ROMÂNICA...

. UM ESCULTOR MELGACENSE

. CERTO NEGÓCIO DE SERVIÇO ...

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds